TODO PROSA

Minha foto

Escritor, jornalista, roteirista, diretor de tv. Dirigi, apresentei e escrevi para a  TV Cultura, CNT/GAZETA, BANDEIRANTES, MANCHETE,  Rede SESC/Senac,TV Brasil, TV Pública de Angola, TVT-TV DOS TRABALHADORES, GNT entre outras. Editei as revistas RAIZ, TRIP e HV e fui conselheiro editorial da Rolling Stone e um dos criadores do programa METRÓPOLIS da Tv Cultura do qual fui o primeiro apresentador. Fui repórter do Caderno B do JB e tomei parte da equipe fundadora do Caderno 2 do Estadão. No mesmo jornal fui cronista de 1993 a 1998. De 98 a 2001 fui cronista do Jornal da Tarde.  De 1998 a 2005 dirigi, escrevi e apresentei "Literatura" e "Mundo da Literatura" exibido em várias emissoras abertas e fechadas. Sou co-autor das peças "Olho da Rua" e "Quatro Estações". Autor de sete livros publicados como CINEVERTIGEM (ed. Record) e os infanto-juvenis VALENTÃO, O BRASIL É FEITO POR NÓS ?, DIA DE SUBMARINO e FALTA DE AR. Co-autor de outros tantos. Dirigi mais de uma dúzia de documentários e séries documentais para várias emissoras de tv. Publiquei todos os dias durante um ano em www.revistapessoa.com o 365- Diário do Anonimato do Mundo. Uma história por dia. Cada dia um lugar do mundo. Escrevo duas vezes por semana para a revista digital  Dom Total em www.domtotal.com . Entusiasta da comunicação pública também fui gerente de produção da TV Brasil e diretor de conteúdo e programação da EBC.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

QUINHENTINHO E DESPEDIDA 2008

Não planejada coincidência começo escrever minhas últimas linhas de 2008 nesse blog quando noto que se trata do post 500 ! Uauuuu...além disso é um post 500 escrito na véspera do Natal o que provavelmente será um presente de grego para o amável leitor. São três e meia da matina estou no bairro Santo Antonio em Belo Horizonte onde cheguei ontem no fim da tarde vindo da casa dos meus primos em São Carlos e da casa da minha filha em Ribeirão Preto. Escrevo do computador da minha sobrinha na casa da minha irmã Ana Regina . Mais tarde minha outra irmã ( Ana Lucia , autora do blog "Arte e Efeito", aqui linkado) se juntará a nós e as famílias delas junto comigo atavessarão mais um desses rituais consagrados e (quase sagrados ?) a que chamamos Natal. Nós aqui em Belo Horizonte e milhões de outros seres humanos emburrecidos pelo consumismo e pela insensibilidade em muitos lugares do planeta. Mas não vim aqui depois de longa viagem ( pagando pedágios absurdos e numerosos na Mg-050) para empanar o brilho da festa natalina de ninguém. Não vim aqui dizer que ontem passei pela linda usina de Furnas e me admirei com a engenharia da obra. Não vim aqui dizer que perdi a capinha da minha máquina digital. Não vim aqui dizer que o governo do provecto Aecinho Neves concedeu a uma empresa que ironicamente se chama "Nascentes das Geraes" o direito de cobrar oito pedágios de São Sebastião do Paraíso até a mg-050 desembocar na Br-262 ( menos de 400 km) oferecendo em troca uma estrada de merda .(Desculpem mas não há outro termo pra definir nem essa estrada nem essa industria do pedágio, um empreendimento do tucanato nacional) Não vim aqui pra dizer nada disso apenas pra me despedir com um post pueril de todos aqueles que prestigiam esse espaço. E para avisar a todos vocês que apesar do meu desalento, algumas vezes aqui manifestado, eu não desisti. Nem do blog, nem de protestar , nem de achincalhar o nosso "cordeirismo" brazuca que deveria se espelhar as vezes no orgulho do povo grego e ter mais vergonha na cara muito embora eu deplore a violência coletiva ou individual. Mas sou assim mesmo. Paradoxal como o ano que está indo embora. Contraditório como todos aqueles que não tem opinião formada sobre tudo. Tem hora que eu canso muito mais do que dirigir horas a fio um jipe duro em estrada ruim. Eu canso de tanta idiotia, tanto consumismo cego e frenético espalhado pelos olhares de bois e vacas sonsas que se julgam felizes pelos shoppings. Canso de ver o planeta cansado e de ver o meu , o teu , o nosso passado ser soterrado como uma tragédia catarinense. Mas apesar de tudo vou encerrar o post "quinhentinho" com um sopro otimista. Não por culpa cristã porque Cristo já deve ter desistido da gente. Encerro com um sopro otimista porque ainda são muito mais numerosos aqueles que ajudam nas tragédias como as de Santa Catarina do que aqueles vermes rastejantes que roubam donativos. Eu acredito que a cauda da bondade humana apesar de cortada ainda pode se regenerar. Ainda creio em mim, creio em ti, creio nas minhas curtas férias que não serão em Parati. Depois daqui ( BH) me mando pra Serra da Bocaina e volto ao circuito Rio -Sp até dia 7 de janeiro no máximo. Minha ausência preencherá uma lacuna. Mas eu pretendo voltar. Feliz 2009 para quem puder ... e espero que todos possamos. Beijos e abraços estalados.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

O ESCANDALOSO PEDÁGIO DO RODOANEL

Desculpem se o assunto parece local demais. Mas em se tratando de São Paulo tudo que é local atinge milhares de pessoas. Para os que não sabem o RODOANEL ,inaugurado em 2002, é um enorme cinturão viário (inacabado) que interliga as rodovias que dão acesso a São Paulo. Foi feito para desafogar o trânsito e facilitar ( em tese) a vida dos motoristas. Quando inaugurado as autoridades prometeram que ali jamais seria cobrado pedágio. Pois bem...no Brasil promessa é pra ser descumprida e essa semana o governo do Estado de São Paulo anunciou cobrança de pedágio. Toda vez que você ,usuário, entrar ou sair do RODOANEL vai ter que pagar. Isso atinge e onera a vida de milhares ( eu diria milhões) de pessoas que moram em municípios ao redor de SP como é meu caso. Fosse um país de gente menos passiva, menos cordeira, e um levante popular teria acontecido como vi ocorrer uma vez na Argentina com uma história bem parecida. Aqui ,quando muito ,rolam uns muxoxos e todo mundo está enfrentando fila pra pagar pedágio para entrar e sair do Rodoanel. Escandoloso, imoral ,mas ninguém faz nada. E isso no Estado de São Paulo que cobra os pedágios mais indecentes do Brasil. Uma viagem até Ribeirão Preto custa ao motorista mais de 70 reais só de pedágio. Ou seja,para quem tem veículo a diesel como eu, gasta-se mais de pedágio que de combustível. São Paulo virou a industria dos pedágios ,um esquema que jamais foi investigado como deveria,um negócio mega rentável. Imagine agora com o pedágio no Rodoanel.
O objetivo desse cinturão viário era desafogar o tráfego e aliviar a vida dos motoristas. Com a cobrança dos pedágio nada foi aliviado e enormes filas se formam diante das praças de pagamento transformando o que deveria fluir num enorme congestionamento. Fico aqui me coçando ,contendo meus impulsos bestiais, para não abrir toda a minha caixa de palavras de baixo calão para “homenagear” essa criatura que se chama José Serra, o governador desse Estado . Dizer que ele e seus amigos tucanos não tem a menor palavra seria o de menos. Mas como milhares de otários que vão pagar o pedágio sem chiar eu me calo e não vou ficar falando do Serra aqui. Faz mal pra saúde. Só de pensar naquela estampa antipática uma tsunami de azia se aproxima de mim....

O HOMEM PROVISÓRIO

Tento . E ponto

Tento porque conciso

Conciso porque preciso

Tento porque é um tormento

Tento pois estou em brasa

revisito a velha casa

acho nacos de mim

Tento . E ponto

Tento porque anoitece

Tento pois a alma padece

Tento como uma eclusa

Tento a carne que arrefece

Tento a Deus uma prece

Tento testar meus tentáculos

Tento. Eis o ponto

Pois tento sempre não estar pronto

Ricardo Soares 19/12/2008

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

TEM DADO EM CASA?

O tipinho acima,com o cabelinho moderninho, é um reluzente exemplar das raças mais asquerosas que existem que são os playboyzinhos riquinhos,alcunhados de "mauricinhos" pelo pessoal do antigo jornal Casseta Popular...esse aí não bastasse ser dos piores atores e cantores do sistema solar é useiro e vezeiro em socar mulheres. Está sendo processado por dar uns safanões na atriz Luana Piovani e em Esmê sua camareira. Se julgado e condenado com base na lei Maria da Penha pode pegar uns anos de xadrez ,o que duvido visto que se fossemos mesmo sérios até Gilmar Mendes ,o presidente do Supremo, deveria estar no xilindró. O nome desse tipinho ,uma típica praga urbana, é Dado Dolabella.Metido, arrogante,deseducado. Não devia ocupar-me dele mas se assim o faço é como reforço ao que expus no post de ontem onde manifestei meu desalento pelo triunfo da mediocridade. Podíamos ignorar tipinhos como esse. Mas se o ignoramos eles e seus imitadores baratos podem continuar achando que estão "abafando" como se dizia antigamente. Tudo porque uma mídia medíocre, burra e covarde continua a levantar a bola de desqualificados como esse. Gente que faz coro com diretores idiotas que escalam essas porcarias para seus elencos. Mas o que dizer dessa malta toda frente a um outro diretor que escalou o inútil playboy Ricardinho Mansur para ser estrela de seu filme ? Resistamos minha gente... do contrário essa gente vai achar que é maioria e que não temos senso crítico.

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Nós perdemos(ou intervalo pra comer gelatina)


       É, que consolo...fazer o que ? Fiz o que foi possível, nasci na época errada, na cidade errada e no país errado. Cansei de ser outsider,critico, remar contra a maré. Devia era aderir, virar um Falabella da vida, um escritor de mercado, um redator de novelas e assim enriquecer,foder com celebridades,escrever pra imbecis,trabalhar em tv pra imbecis. Pelo menos estaria desfrutando da máquina que me aborrece e comprime,essa nojenta indústria de consumo e de cultura de massa. Mas não sei ficar em silêncio. Perdi, é fato. Mas perco ainda fazendo barulho,saio atirando...o problema é que tiro sempre ricocheteia... Opto ainda pelo estupor ? chega de amargor ? ou vou ao doce da gelatina senil ?

SAPATADA NO BUSH

A internet torna tudo muito rápido. Até a chacota universal. Já está disponível para qualquer mortal um joguinho onde você pode dar quantas sapatadas conseguir no boçal Bush. Vingue-se dos oito anos de horrores desse imbecil nesse endereço. Clique aqui e divirta-se.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

FOME DE QUE ?

Quem me passou a dica/texto abaixo foi a Sonia Nunes que é a editora-executiva do programa Revista Brasil, no ar todos os domingos às 17 hs na Tv Brasil.Por sua vez a Sonia parece ter pego esse texto de outra fonte,conforme vocês podem ler no pé desse post.Enfim é a tal "corrente pra frente" que os blogs ,por sorte, promovem. "Corrente pra frente" que era uma frase ufanista nos anos de chumbo e que hoje pode ser usada para propósitos mais edificantes.

“Vou fazer um slideshow para você. Está preparado? É comum, você já viu
essas imagens antes. Quem sabe até já se acostumou com elas. Começa com
aquelas crianças famintas da África. Aquelas com os ossos visíveis por baixo
da pele. Aquelas com moscas nos olhos. Os slides se sucedem. Êxodos de
populações inteiras. Gente faminta. Gente pobre. Gente sem futuro. Durante
décadas, vimos essas imagens. No Discovery Channel, na National Geographic,
nos concursos de foto. Algumas viraram até objetos de arte, em livros de
fotógrafos renomados. São imagens de miséria que comovem. São imagens que
criam plataformas de governo. Criam ONGs. Criam entidades. Criam movimentos
sociais. A miséria pelo mundo, seja em Uganda ou no Ceará, na Índia ou em
Bogotá sensibiliza. Ano após ano, discutiu-se o que fazer. Anos de pressão
para sensibilizar uma infinidade de líderes que se sucederam nas nações mais
poderosas do planeta. Dizem que 40 bilhões de dólares seriam necessários
para resolver o problema da fome no mundo. Resolver, capicce? Extinguir. Não
haveria mais nenhum menininho terrivelmente magro e sem futuro, em nenhum
canto do planeta. Não sei como calcularam este número. Mas digamos que
esteja subestimado. Digamos que seja o dobro. Ou o triplo. Com 120 bilhões o
mundo seria um lugar mais justo. Não houve passeata, discurso político ou
filosófico ou foto que sensibilizasse. Não houve documentário, ong, lobby ou
pressão que resolvesse. Mas em uma semana, os mesmos líderes, as mesmas
potências, tiraram da cartola 2.2 trilhões de dólares (700 bi nos EUA, 1.5
tri na Europa) para salvar da fome quem já estava de barriga cheia".

Como uma pessoa comentou, é uma pena que esse texto só esteja em blogs e não
na mídia de massa, essa mesma que sabe muito bem dar tapa e afagar. Se
quiser, repasse, se não, o que importa, o nosso almoço tá garantido mesmo.
(Texto do Neto, diretor de criação e sócio da Bullet, sobre a crise mundial.
Dica de Cinara Medeiros Marinho de Andrade, de Montreal)

domingo, 14 de dezembro de 2008

MADONNA É PÉSSIMA ?

No seu récem-inaugurado blog a minha amiga Tania Celidonio inaugurou suas postagens dizendo :Mulheres envelhecem como adolescentes ou os homens nos constrangem como velhos babões?

Questão interessante essa quando penso em Madonna que nesse instante canta(???) no Maracanã para uma multidão que não se avexou em ficar dias na fila ou mesmo acampou defronte ao estádio pra ver a diva (???) . Afinal Madonna envelhece como adolescente ? constrange os homens como velhões babões ?Madonna é isso tudo ou nada disso ? um ícone pop, uma revolucionária comportamental, uma mega Leila Diniz ou apenas um produtaço rentável da indústria cultural ? Madonna sempre foi e será sinônimo de polêmica.

Ontem mesmo no portal IG um arremedo de poeta e crítico chamado Regis Bonvicino ( mais um daqueles poetas chatos que a Folha Ilustrada eternamente tenta nos vender como fundamentais muito embora às vezes ele acerte a mão) escreveu um texto detonando Madonna. Lógico que a exemplo de muitos ele esculhamba um mito para atrair audiência, truque usado por muitos , até pelo meu amigo Luis Antonio Giron. Regis conseguiu o que queria muito embora tenha utilizado de argumentos até absurdos como dizer que Madonna "representa o supercapitalismo norte-americano de Richard Nixon, Ronald Reagan, de George Bush, pai e filho, que, elitista e financeiro, sucumbiu numa depressão. Madonna é o destempo". Também diz que "Madonna é a ostentação pela ostentação, sem qualquer nível artístico. É oca por dentro. Um batalhão de designers desenhou o figurino do palco". Prova total que Regis pretende a polêmica fácil é dizer que Madonna é "dez mil vezes inferior à compositora e cantora Amy Winehouse. Não chega aos pés de Maria Rita, Bebel Gilberto ou Fernanda Takai, do Pato Fu". Pô Regis aí você não teria ido longe demais ? Será que ela é tão péssima quanto o título de seu artigo apregoa ? Falar isso não seria o mesmo que dizer que Manuel Bandeira e Murilo Mendes são dez mil vezes inferiores a Regis Bonvicino ??? Você tentou manipular as emoções baratas para gerar polêmica . Deve ter conseguido .Mas será mesmo que você acredita no que escreveu ? Nunca coisa eu concordo totalmente com você : Madonna tem fãs e não ouvintes. Além disso tem uma legião de articulistas mundo afora que vivem dos respingos dos lampejos que ela solta. Adoram detonar o talento da "material girl". Porque não sei dizer exatamente onde mas Madonna tem sim talento. E isso não é só industria...

sábado, 13 de dezembro de 2008

RONALDO NO CORINTHIANS

jogada de marketing ou última chance ?
de mais a mais tem até camisa ( uniforme número 3) que combina com o blog...

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

A BLOGOSFERA, O FUNDO DO BAÚ E O HOTEL JANDAIA

Clichê ou não , ainda ontem eu falava no Rio para a minha amiga Tania Celidonio (que inaugurou ontem seu blog - Clique aqui ) que a blogosfera quase todos os dias nos reserva boas surpresas. Pois não é que agora pouco chegando de uma cansativa viagem de carro desde o Leme(Rio) à Granja Viana(Sp) eu abro o computador e depois de checar os e-mails dou conta que a minha fotinho do perfil desse blog estava fora do ar. Quando passo a procurar outra dando um "google" no meu nome me deparo com a "supreendente surpresa" abaixo ... a redundância é proposital.
Durante os anos de 1993 a 1998 publiquei todas as quintas- feiras uma crônica no caderno Cidades do Estadão. Meu habitual relaxo fez com que eu perdesse a maioria delas e tenho recorte de muito poucas. Nunca as reuni em coletâneas ou mesmo tive a pretensão de publicá-las em livro. Mas vez por outra trombo com uma delas por aí e não me lembro de ter falado do assunto nesse blog. Essa crônica abaixo, por exemplo, é bem antiga , não me lembrava... foi achada no blog (que parece desativado)da Lilla Ferreira (http://lillaferreira.blog.uol.com.br), uma amável leitora do passado que não conheço. Conservo o texto conforme foi publicado no blog dela inclusive com as considerações finais de sua lavra. E volto a dizer : que curiosa essa internet né ? que fascinante essa blogosfera ! Em um dia onde não me acho nem lá no Rio , nem cá em São Paulo dou comigo mesmo em 1994 através de um blog de uma mulher que não conheço ...
foto do hotel Jandaia

Crônica

PATINETE :O EXÓTICO DO HOTEL JANDAIA

Ricardo Soares

Patinete é um sujeito à moda antiga. Agora que rompeu com a doce Nemércia, saiu da casa da senhora sua mãe e resolveu mudar, de mala e livros, para um quarto do hotel Jandaia ali na avenida Duque de Caxias. Não suportaria as lembranças de Nemércia na casa de sua mãe.

Patinete lê poemas de Torquato Neto e acredita, como Cacaso, que dentro dele mora um anjo que tem a boca, a cara e a alma pintadas. Odeia o modismo ao redor de Nelson Rodrigues porque o lia muito antes, desde a época em que Nelson era rotulado de reacionário. Aliás, Patinete parece saído de uma história de A Vida Como Ela É...

E a vida é assim para Patinete. Assinar o ponto na repartição pública uma vez por semana. Empregão herdado por influência da mãe. Alternar amores platônicos com versos derramados.

Mesclar a vida de momentos de porres e abstinência. Correr no Ibirapuera, passando a semana a frutas e água mineral com gás. Na semana seguinte, comer churrasco gordo, lingüiça frita, coxinha de padaria e litros de cachaça ordinária.

Ele paga o hotel Jandaia por mês. É amigo dos funcionários que nada entendem de sua fascinação pela vida dos santos. Especialmente Santo Agostinho de quem é devoto e defensor fanático.

Patinete blasfema, mas vai á missa. Adora as que são faladas em latim e não perde a das dez da manhã de domingo, na Igreja São Bento, que tem no cardápio cantos gregorianos.

Ultimamente, Patinete anda mais passional do que nunca. Se identifica muito com a vida e obra de Vinícius de Moraes. Especialmente depois que dona Nemércia – aplicada escriturária residente no Mandaqui –o largou. Não agüentava mais as bebedeiras e promessas de casório de Patinete.

Apesar do rompimento não há dia que ele não ligue para Nemércia. E fica mais melancólico ainda conforme avança na leitura da biografia de Vinícius escrita pelo José Castelo. Nos seus sonhos delirantes de olho aberto – sim, ele só sonha de olho aberto! – dedicou aos dois um longo poema, intitulado Lo Pasionario do qual transcrevemos alguns trechos com a devida licença do autor:


Para se viver um grande amor não é preciso pijamas de listras/chinelos macios, água no toucador. Para se viver um grande amor /é preciso andar no bonde errado/ amassar os travesseiros, quebrar os castiçais/ fumar o cigarro pelo filtro/ tomar iogurte com licor de anis/ ver que a vida está sempre por um triz.

O poema é longo e, como Patinete teme sempre o plágio, nos autorizou além dos versos acima apenas a transcrição desse arremate final:

Para se viver um grande amor/ é preciso aprender alguns versos/ riscar o bom senso da poesia/ jogar água fria no rosto/ vencer o torpor da apatia.

Patinete não permite que eu divulgue sua verdadeira identidade mas tem prazer quase mórbido em apregoar suas opiniões. Por exemplo: aos 37 anos acha-se insultado quando lhe dizem que o expoente máximo da poética de sua geração é Arnaldo Antunes. Quase espuma de ódio quando ouve isso e repete, lembrando seu ídolo Nelson Rodrigues.

- Aquele é uma besta... um cretino fundamental... ainda mais com aquela cara de larva subterrânea. Manda o sujeito tomar banho?

Sim é bom lembrar que Patinete não gosta de rock embora tenha o máximo respeito por Rita Lee e Os Mutantes. Acha a juventude atual “superlativamente idiota” e na televisão assiste a jogos de futebol e aos programas de Celso Russomano e Athaide Patreze. Sua atração pelo bizarro é incontrolável.

Embora sua luta fundamental seja para reconquistar o coração de Nemércia, Patinete tem outro objetivo a curto prazo. Quer publicar um livro com os seus poemas.

Nemércia, por sinal, gosta muito de alguns deles embora se embarace com palavras como afã, paradoxal e pragmático. E pragmatismo, afinal, também é o forte de Patinete. Ele não se cansa de dizer que a vida tem “nuances” e que nasceu na década errada. Vive sonhando com a Vila Esperança de Adoniran e com a avenida São João de Paulo Vanzolini.

É por isso que de noite ele ronda a cidade a procurar Nemércia sem encontrar. Ela pudica e cansada, repousa sob os lençóis no Mandaqui enquanto ele amarrota o fígado aqui, ali, acolá e mais adiante. Patinete sempre diz que a vida não é pra ser vivida de capacete.

Jornal O Estado de São Paulo – Caderno Cidades – 23 de março de 1994

A velha mania de guardar coisas. Curioso ver anos depois o recorte que se fez da leitura de um livro, jornal, de um momento. Essa crônica tem de tudo. Polêmica, reflexão, romance, poesia, mas se não estou enganada, o que me fez pegar a tesoura e recortá-la foram duas palavrinhas: hotel Jandaia, Duque de Caxias, próximo ao prédio da Folha de São Paulo. Ponto de encontro de artistas de várias gerações, principalmente da saudosa Continental, onde trabalhei alguns anos até que nossa última grande gravadora nacional se rendesse ao capital estrangeiro, hoje apenas um selo da Warner. Lugar de grandes recordações, de um tempo em que não usava capacete. O que me recordo agora, é que de brincadeira, o conhecíamos informalmente por “hotel gandaia”. Pra mim, na época, também um local de trabalho, mas templo de muita diversão. ( Escrito por Lilla Ferreira no blog dela no endereço http://lillaferreira.blog.uol.com.br)

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

SAMBA NO BRECHÓ

Leiam e divulguem abaixo a bela iniciativa de Raquel de Moraes e de Luiza Sarmento, apresentadora do REVISTA BRASIL , no ar todos os domingos das cinco às seis da tarde na Tv Brasil. Maiores detalhes no blog sambanobrecho.blogspot.com.


Samba no Brechó

Evento beneficente para arrecadar fundos para o INSTITUTO DA CRIANÇA.

Com a venda de roupas, sapatos, acessórios e objetos, para homens e mulheres de todas as idades, o evento pretende conscientizar as pessoas para

o "Consumo Consciente".


Será realizado no dia 21 de Dezembro de 2008, no bar e restaurante Cinemathéque Jam Club.

Terá stands de exposição do brechó, roda de samba, poesia, DJ’s convidados e um saborosissimo “Almoço do Aconchego”, com a arrecadação de doações feitas por personalidades, e todas as pessoas que quiserem abraçar, essa grande e nobre causa.

O Brechó

Será composto por stands diversos. Além de peças doadas por anônimos, famosos e personalidades - algumas customizadas e acompanhadas por suas histórias.

Também estarão à venda roupas off cedidas por marcas já consagradas. Os preços variam entre R$5,00 e R$40,00 reais, com exceção das peças doadas por personalidades, que terão preços diferenciados (acima de R$40,00 Reais).

O Samba

O evento será dividido em dois ambientes: No primeiro, exposição dos stands do Brechó, além de projeções de imagens do trabalho desenvolvido pelo Instituto, os logos dos apoiadores e patrocinadores envolvidos. Esses serão divulgados, no site do evento. No andar de cima acontecerá uma roda de samba com a cantora Rachel de Moraes e grupo, com convidados especiais como as cantoras, Verônica Bonfim e Roberta Espinosa. Além do show no espaço, ainda será servido o “Almoço do Aconchego” (cobrado à parte assim como o bar), com rodadas de poesia, nos intervalos dos shows.

INSTITUTO DA CRIANÇA:

O Instituto da Criança é uma organização não-governamental, sem fins lucrativos, que apóia projetos no Rio de Janeiro e São Paulo. Dentre os projetos hoje assistidos estão: creches, casas de assistência a deficientes e comunidades de baixa renda, além de um programa de orientação aos pais e fomento da cidadania. O Instituto atua promovendo a sustentabilidade de projetos e obras sociais, oferecendo apoio administrativo, financeiro e encaminhamento jurídico. Com isso, contribui para o desenvolvimento humano, social e econômico de crianças, adolescentes e suas famílias, a fim de transformar a realidade em que vivem.

Serviço:

O que: Samba no Brechó

Quando: 21 de Dezembro de 2008 - Domingo.

Onde: Cinemathéque Jam Club – Rua Voluntários da Pátria, 53 – Botafogo (Próximo ao Metrô)

Horário: Das 14 às 20hs

Quanto: R$ 8,00 Reais.

Contato: sambanobrecho@gmail.com

Apoio: Rádios Mix e Paradiso FM

Importante:

Toda renda arrecadada com a venda das peças, será revertida para o INSTITUTO DA CRIANÇA .

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

SAMBA NA GAMBOA

Ainda não assisti nem sei se está bom. Mas mesmo assim recomendo.Estréia amanhã às 20hs na Tv Brasil o programa "Samba na Gamboa" apresentado pelo Diogo Nogueira, bom sambista da nova geração , filho do saudoso João Nogueira. Nada tive a ver com a produção e realização do programa mas foi após um encontro meu com o Diogo , no aeroporto Santos Dumont, que surgiu a idéia dele apresentar um programa na Tv Brasil.Apresentei o moço aos canais competentes e torço pra que todos tenham sucesso .

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

O "ILUSTRADO" JORNALISMO CULTURAL


Ainda está para ser contada, com isenção, a história do jornalismo cultural brasileiro. Bom mote para falar nisso nos dá o jornalista Marcos Augusto Gonçalves, editor do caderno "Ilustrada" , da Folha de S. Paulo. Ela acaba de publicar o livro “Pós-tudo – 50 anos de cultura na Ilustrada” (Publifolha, 368 págs., R$ 59,90).Gonçalves, editor do caderno em dois momentos, na década de 80 e hoje em dia,levanta a trajetória da “Ilustrada” por meio de entrevistas com mais de 20 jornalistas além de reproduzir artigos polêmicos como o embate (intelectual ou pessoal ?) entre Caetano Veloso e Paulo Francis. Não vi nem li o livro . Estou comprando o peixe conforme me venderam. Não tenho vontade de perder meu tempo com ele não por má vontade em relação ao Marcos ( raro exemplar de bom texto no jornalismo cultural contemporâneo e na "Ilustrada" em particular)mas sim pelo livro partir do pressuposto que a história do jornalismo cultural brasileiro começa e termina na "Ilustrada" o que não é o caso mesmo se levando em conta que o caderno tem 50 anos de idade , sendo assim o mais antigo da imprensa brasileira.
Essa semana li um texto de um repórter do IG ( que passou pela Ilustrada)tecendo loas ao livro . Afirma ele "O resultado é uma simpática – e fartamente ilustrada – celebração em torno de um dos mais importantes cadernos culturais da imprensa nacional, cujo alcance e influência, especialmente na década de 80, ajudaram a “Folha” a se consolidar como o maior jornal do país". Não sei se foi uma tentativa não velada de bajular seus antigos colegas mas a afirmação do repórter é , no mínimo, polêmica. A época mais criativa e influente da "Ilustrada" não me parece ter sido aquela em que estiveram à frente do caderno os "golden boys" do Otávio Frias Filho ( dono do jornal), responsáveis pela implantação do jornalismo de resultados do "Projeto Folha". Esses rapazes ( por coincidência um deles preside o IG que dá emprego ao repórter que tece loas à Ilustrada) deixaram tudo muito mais pragmático , afinaram o jornalismo cultural com o mercado e com as "mudernidades" (sejam elas boas ou más) mas tiraram o charme e o conteúdo da "Ilustrada" que me parecia, isso sim , muito mais charmosa e bem escrita sob a égide de Helô Pinheiro /Tarso de Castro em fins dos anos 70 e começo dos 80. Textos redondos, pautas sem preconceitos desfilavam diante do coro de contentes e descontentes e levavam as assinaturas competentes de Sérgio Augusto, Isa Cambará, Ligia Sanches (onde andam elas ?), Dirceu Soares e assim por diante . Era a época que a mesma Folha publicava o instigante e histórico " Folhetim" sobre o qual prometo escrever dia desses.
Enfim, para concluir : o livro do Marcos pode ajudar a entender um pouco o jornalismo cultural brasileiro mas não é seu testamento definitivo. Os jornalistas competentes da área precisam encarar o desafio de escrever essa história olhando para os lados. E o Caderno B ? do Jornal do Brasil ? e a fundação do Caderno 2 do Estadão ? Ao menos o livro do Marcos parece ter um objetivo claro . Não quer enganar ninguém ao que parece . Quer contar a história da Ilustrada mesmo que ele ache que o caderno é o "must" do jornalismo cultural brazuca. Melhor do que um janotinha do Estadão que em anos passados escreveu um livreco ( ruim a beça por sinal) onde escrevia a história do jornalismo cultural a partir da perspectiva de sua "revolucionária" trajetória pessoal no segmento. Bleargh !!!!!

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Espasmos da memória



    Sei lá porque ,espasmos de memória, atos de contrição, "envelhescência", hoje me vi descendo uma escada aqui de casa lembrando de um antiquíssimo amor de adolescência. Platônico e não correspondido. Eu com 13, 14 anos, ela um ano mais velha. Nunca lhe esqueci o aniversário: 4 de março. Nunca lhe esqueci a magnífica estampa; uma mestiça morena com uma mãe branca italianada e o pai um japonês bronzeado que gostava de pescar na represa Billings onde acabou por morrer afogado. Ela levava uma pinta do lado direito do rosto, próxima ao nariz. Tipo Cindy Crawford. Eu estou a perceber que cresce em mim uma pinta (saudável ?),sem o mesmo charme, no mesmo lugar.Todas essas reminiscências são pueris e remontam a muito mais que 30 anos. Blog também pode ser um ridículo diário estilo "Pollyana Moça" onde desfiamos nossos fiapos de tempo ? Hoje me vi assim, a desfiar, sem tecer. E me pergunto o que teria sido feito de Cássia Aparecida Kitagaki (esse era o nome dela) que, mais velha do que eu , evaporou-se nos meandros dos calendários. Onde foi parar tanta formosura ? Temo em saber a resposta pois a implacável passagem dos anos não anda de mão dadas com a beleza.Gosto de uma imagem poética dela perdida em tempos idos e vividos. É bem provável que me decepcionasse com o que veria hoje.

ps. para ilustrar um post que tem a ver com o imponderável do tempo só mesmo uma imagem de Dali.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

LOURENÇO MUTARELLI

O caboclo astronauta da foto é o próprio Mutarelli em sensacional foto de Marcos Camargo. Você assistiu ao filme "Cheiro do Ralo ?" . Gostou ? Pois então, o filme ( dirigido por Heitor Dhalia) foi baseado em livro dele. Agora está na praça outro livro , já com cara e jeitão de filme. Chama-se "A Arte de Produzir Efeito sem Causa" que já li faz um tempinho mas só agora comento. E comento sem qualquer pretensão de crítico literário. Comento porque gostei. Comento porque é simples e acho que está cada vez mais raro escritores que escrevem simples e bem. Júnior, o protagonista, filho de Senior, é quase um lumpen sem eira nem beira. Jogado às traças é acolhido no apê do pai e daí se desenvolve uma cadeia contínua de dissabores muitos deles tragicômicos e divertidos. Poucas vezes vi alguém escrever sobre depressivos de maneira tão divertida. Mutarelli parece ser um sujeito sem pretensões. Me parece ser na dele. Temos amigos em comum mas nunca nos encontramos. Rendo minhas homenagens a ele pois consegue tirar assunto, poesia, vida,paradoxos em cenário minimalista. Vida longa à sua prosa. Caiam de boca no livro...

para que serve Amazonino Mendes ?

Um sujeito crédulo, que tivesse passado muitos anos longe do Brasil , e que resolvesse crer que a política ainda pode ser feita por aqui por homens e mulheres probos teria todas as suas esperanças dinamitadas ao dar com o currículo ( ou seria folha corrida ?)do prefeito eleito (e cassado) de Manaus, esse exemplar único de cara de pau que se chama Amazonino Mendes. Trancrevo a notícia abaixo e depois sigo com o raciocínio :

O MPE (Ministério Público Eleitoral) pediu ontem ( dia 27 de novembro) a cassação do candidato à Prefeitura de Manaus o ex-governador Amazonino Mendes (PTB) e de seu vice, o deputado federal Carlos Souza (PP), por suposta compra de votos.

Na véspera do primeiro turno, a Polícia Federal apreendeu em um posto de combustível 419 requisições de carros já abastecidos com 20 litros de gasolina cada um. Nas requisições havia a frase "eleições 2008-Amazonino Mendes".

Amazonino disputa o segundo turno domingo com o prefeito Serafim Corrêa (PSB).

A Justiça Eleitoral determinou a abertura do inquérito pela PF na semana passada. O caso foi descoberto após denúncia de partidários de Omar Aziz (PMN), derrotado no primeiro turno, mas que apóia Amazonino no segundo turno.

No posto de combustível, que foi lacrado, agentes federais encontraram 300 carros que seriam abastecidos, supostamente para transportar eleitores.

Hoje, a juíza Maria Eunice Torres do Nascimento, que preside as eleições de Manaus e vai julgar a ação, disse à reportagem que Amazonino e Souza foram notificados para a defesa. O MPE pede ainda multa de R$ 50 mil aos candidatos como punição pela suposta captação ilícita de votos e gastos ilegais com verba de campanha.

O advogado da coligação de Amazonino, Daniel Nogueira, disse que a Justiça Eleitoral vai chegar à conclusão de que não existe irregularidade, pois a gasolina era para carros de fiscais do partido.


Agora vamos à conclusão. Em qualquer país sério do mundo um tipo como Amazonino, que já foi incontáveis vezes prefeito de Manaus e governador do Amazonas, teria sido investigado à exaustão pelo seu amazônico enriquecimento desde que se tornou um homem público. Investigado seria facilmente fragrado e enjaulado por muitos anos dado o número de denuncias que existem contra ele . Mas ele segue incólume, ano após ano, mandando e desmandando na sua região. Denuncias como a construção (por meios ilicítos ?) de uma nababesca mansão na selva (clique aqui) são o de menos. Amazonino é a mais completa tradução daquele típico filme hollywoodiano em que os politicos latino americanos são representados de maneira caricata. Ele é um clichê ambulante, um "Mau Menino Mendes" alcunha que lhe coloquei em 1992 quando participei de uma campanha politica contra ele na coordenação dos programas de rádio de seu adversário , o sumido deputado José Dutra, titere do também intragável Artur Virgílio Neto. Naquela ocasião ( minha primeira experiência no marketing politico com 33 anos de idade)fiquei horrorizado com os métodos de Amazonino e com a quantidade de denuncias que existiam contra ele. Sempre "admirei" sua capacidade de escapar das grades e agora me pergunto : com essa cassação será o começo da punição de Mau Menino Mendes ??? (essa alcunha que lhe pespeguei foi repetida em campanhas politicas posteriores) Afinal para que serve afinal Amazonino Mendes ?

ps. isso porque nem é bom falar do quanto esse tipo foi nocivo para o meio-ambiente da região. Houve uma época em que ele fazia distribuição indiscriminada de moto-serras para os caboclos ribeirinhos como forma de "conter o desemprego". Idi Amin Dada perde pra Amazonino no papel de ditador de opereta. Se a mídia que se diz independente não consegue enjaular de vez os Paulos Malufs do eixo Rio -Sp- Brasília o que dirá de congêneres em estados distantes onde a mídia está atrelada aos partidos politicos e as concessões de canais pertencem aos próprios politicos ?

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

PICADINHO

PICADINHO

Sabes a que urnas abres ?
sabres a que membros corta ?
cobras a que lagartos ?
tanges a que rebanhos ?
experimenta a quais tamanhos ?
e quantas ovelhas tange ?
e o manche daquela nave ?
encalhou naquele istmo ?
ou na ponta do cabo que a brisa beija e alavanca ?
no vento que o Índico traz
pacífica onda arrebenta
a minha atlântica paz
a espuma que o oceano desfaz
me devolve na praia águas – vivas
folhas de louro e urtigas
lembranças que a pele sente
enquanto a tez se amorena
portanto, saiba pequena,
que o ártico verso gelado
na verdade está cifrado
tosco refrão tropical
peixe envolto em banana
coco, moqueca, siri mole
luz no alto da duna
suor que rompe a falésia
peixeira que parte miúdos
amores que me foram graúdos


Ricardo Soares
Fortaleza – 11/09/98

Meus livros

Meus livros
CINEVERTIGEM

O BRASIL É FEITO POR NÓS ?

VALENTÃO

FRANGUINHO SEBASTIÃO

DIA DE SUBMARINO

DIA DE SUBMARINO
DIA DE SUBMARINO

FALTA DE AR

FALTA DE AR
FALTA DE AR
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Arquivo do blog

Seguidores