Mar português


Diante de si, à noite, um mar português tão grande e um dedo em riste apontando para destinos remotos. Fazer ao contrário tantos caminhos das caravelas será possível para aplacar tantos erros ? Que seria então de nosso destino ultramarino ? Uma pátria sem chuteiras mas mesmo assim repleta de maresia ? Ah , fevereiro se inicia e eu enferrujo a geografia...

Comentários

Esse eu não tinha lido na época da publicação. Me lembrou dos versos do Fernando Pessoa que um dia, há tempos, fiz questão de decorar:

Ao longe, ao luar
No rio uma vela
Serene a passar
Que é que me revela?

Não sei, mas meu ser
Tornou-se me estranho
E eu sonho ser ver
Os sonhos que tenho

Que angustia me enlaça?
Que amor não se explica
É a vela que passa
Na noite que fica

abs,

Fernando Salles
Ricardo Soares disse…
eééé Fernando...pode até lembrar um tiquinho o Pessoa mas o mestre era muito melhor... aquele abraço...
e , ahhhhh, acho que o povo entendeu quando te chamei de chef...foi no sentido gastrônomico do lance né ???
seja feliz...
Anônimo disse…
O mar, além de encantador é a fonte de vida na terra. O berço da humanidade e de toda vida animal que existe, talvez a necessidade tenha forçado a sairmos do mar em alguma época e a lua hoje, nos força a prosseguir na evolução e como se dissesse que estará sempre lá em cima nos observando e apoiando.
Nilza Amaral disse…

Ricardo, de vez em quando eu te reencontro....

Postagens mais visitadas