A BEATA MARIA ADELAIDE AMARAL

viaduto santa Efigênia , à noite... centro velho de São Paulo

Para vocês entenderem o título do post vão ter que ler até o fim o relato divertido que Maria Adelaide Amaral me mandou acerca de minhas observações sobre colocar seus protagonistas em "Queridos Amigos" passeando em pleno centro velho de São Paulo à noite no já violento ano de 1989 . Inverrossímil ? Leiam o relato de Maria Adelaide...

RICARDO, OUTRA COISA QUE ESQUECI DE ESCLARECER DEPOIS DE ACESSAR O SEU BLOG. É SOBRE SAIR À NOITE PELO CENTRO DA CIDADE, INCLUINDO LARGO PAISSANDÚ E VIADUTO SANTA IFIGÊNIA. FIZ ISSO DURANTE ANOS. O PROBLEMA É SÓ ATÉ AS 9 DA NOITE. DEPOIS DESSA HORA OS TROMBADÕES JÁ TINHAM VOLTADO PARA CASA (ACHO QUE AINDA VOLTAM) UMA VEZ QUE OS TRANSEUNTES PASSÍVEIS DE SEREM ASSALTADOS JÁ SE TINHAM RECOLHIDO. FICAVA SÓ O POVO DA RUA PROCURANDO UM LUGAR PARA DORMIR, INCLUSIVE A MAIOR PARTE DOS MENINOS, CHAPADÍSSIMOS.



A ÚLTIMA VEZ QUE FIZ ISSO FOI NO INÍCIO DE 94 COM O LAURO CÉSAR MUNIZ E O MARCÍLIO MORAES, NA ÉPOCA EM QUE OS AJUDAVA A ESCREVER UMA NOVELA DAS SEIS CHAMADA “SONHO MEU”. NUMA NOITE FOMOS JANTAR NO “LA CASSEROLE”, NO LARGO DO AROUCHE E EU PROPUS QUE DEIXÁSSEMOS O CARRO E FÔSSEMOS DAR UMA VOLTA NO CENTRO DA CIDADE. PASSAVA MUITO DAS DEZ. PEGAMOS SÃO JOÃO, POR CAUSA DA ESQUINA COM A AVENIDA IPIRANGA, PASSAMOS PELO LARGO DO PAISSANDU, ENTRAMOS NO VIADUTO SANTA IFIGÊNIA E ENTRE A PRAÇA ANTÔNIO PRADO E A SÃO BENTO VIMOS DEZENAS DE PESSOAS DORMINDO NA RUA. ALGUMAS ERGUENDO-SE MUITO ESPANTADAS À NOSSA PASSAGEM, ENROLADAS EM COBERTORES, BÊBADAS EM SUA MAIOR PARTE. NA PRAÇA DO PATRIARCA TOMAMOS O CAMINHO DO VIADUTO DO CHÁ, ATRAVESSAMOS A BARÃO DE ITAPETININGA, A PRAÇA DA REPÚBLICA, RUA DO AROUCHE, E NOVAMENTE CHEGAMOS AO LARGO ONDE O CARRO ESTAVA, INCÓLUME. E NÓS TAMBÉM.



NÃO VOLTEI A REPETIR O PÉRIPLO PORQUE O NÚMERO DE PESSOAS DORMINDO NA RUA CRESCEU ASSUSTADORAMENTE. E, COMO PRUDÊNCIA E CALDO DE GALINHA NÃO FAZEM MAL A NINGUÉM, LIMITO-ME AGORA A IR AO CCBB E A VOLTAR PARA A RUA LÍBERO BADARÓ OU XAVIER DE TOLEDO PARA PEGAR UM TÁXI. NUMA DESSAS VEZES, ESTAVA COM A MINHA AMIGA E DOCUMENTARISTA PAOLA PRESTES, QUE PORÉM TINHA IDO DE CARRO E ESTACIONADO NO LARGO DE SÃO FRANCISCO. CHOVIA, PASSAVA DAS NOVE DA NOITE, E O POVO DA RUA SE PREPARAVA PARA TOMAR LUGAR SOB AS MARQUISES DA RUA SÃO BENTO. TODOS OLHANDO PARA NÓS ESTRANHANDO E, ACHO QUE É ESSA ESTRANHEZA QUE OS INIBE DE QUALQUER AÇÃO. NADA MAIS DESCONCERTANTE QUE DUAS SENHORAS ÀQUELA HORA NAQUELA PARTE DA CIDADE. MAS, COMO ESTAVA COM MEDO, COMECEI A CANTAR BEM ALTO COM VOZ DE BEATA NORDESTINA: COM MINHA MÃE ESTAREI NA SANTA GLÓRIA UM DIA, JUNTO DA VIRGEM MARIA, NO CÉU EU ESTAREI. E ASSIM FUI CANTANDO ATÉ CHEGARMOS AO CARRO SOB OS OLHARES ATÔNITOS DAQUELES MISERÁVEIS. ACHARAM QUE EU ERA LOUCA. VAI VER ELES ESTAVAM CERTOS. BJSS DA M.ADELAIDE

Comentários

rm disse…
Ricardo,

desculpe usar o espaço de comentários reservado à esta autora muito interessante, mas como não tenho seu e-mail, vou passar o recado daqui mesmo.

Acabo de tomar conhecimento de um caso, pelo menos exdrúxulo, ocorrido aqui em Minas, se não me engano na cidade de Sete Lagoas. Como a notícia, provavelmente, ainda não chegou ao Rio e à Sampa, acho que vale a pena informar-lhe e a seus leitores.

Um juizerda (by MR) condenou um casal a matricular seus filhos de 18 e 14 na escola regular, com base no ECA (sintomática essa sigla, não?).

O detalhe é que os jovens, estudando em casa, sob os auspícios dos pais, acabam de ser aprovados no vestibular de Direito, em sétimo e décimo terceiro lugares, respectivamente.

A decisão judicial prevê que os pais matriculem seus filhos em escola regular, no prazo de um mês ou percam a guarda sobre eles, além de se sujeitarem a também um mês de xilindró.

Tenho defendido aqui e alhures o cego respeito à decisão judicial. Mantenho minha tese, mas isto não me impede de votar nesse juizinho de meia tigela para "energúmeno porra-louca" do ano. Por que o "douto" jumento não profere uma sentença obrigando a escola (principalmente a pública) a oferecer educação de boa qualidade?

Com uma justiça e uma escola assim, fica difícil, heim?
leve&solto disse…
Ric, estive esta semana com meu filho na Santa Ifigênia... e o ventinho no viaduto me deu alma nova, até o cansaço foi embora...
Sou fascinada pelo centro velho de SP, porém sei o quanto é perigoso andar por lá, mesmo durante o dia.
Adorei o relato da M.Adelaide e concluo que também sou louca pois quando estou com medo costumo cantar, inclusive na rua!!!
Maravilha de post!

bjo

Mara

Deixei uma resposta pra vc lá no leve & solto! rs
Pablo Pamplona disse…
hahahahaha! a cantoria é a solução para os transeuntes da madrugada e a (aparente) insanidade, o escudo dos lúcidos. :)
Ju disse…
muito bom, muito bom!!!
a dica tá guardada pois também adoro aventurar-me pelas ruas lindas e perigosas das cidades...
beijos!
áh, indignante o caso relatado no primeiro comentário desse post!

p.s- nossa, agora parei para pensar no meu comentário "ruas lindas e perigosas das cidades..."
incrível esse mundo que nos faz ter medo de gente. há alguma coisa errada...
Thalita Araújo disse…
isso ainda vai dar em excursões noturnas - e cheias de adrenalina - ao centro velho de são paulo. Preparem os gogós! rss...
Lyn Monroe disse…
Nada como um blog q ainda recebe resposta dos criticados hein??rs
agora eu q fiquei com vontade de fazer o mesmo q ela. Adoro o centro de SP, mas mesmo de dia nao me sinto muito segura.
minha vontade é sempre a de andar por la olhando p cima, p os predios tao interessantes..rs
Sandra disse…
Isto me faz lembrar que voltando de um jantar no centro de Lisboa, foi-me proposto caminhar pelos arredores. Aceitei, mas como uma boa paulistana, nao conseguia relaxar, tinha a sensacao de estar caminhando pelas ruas do centro de Sao Paulo. Era o habito de sentir medo...

Postagens mais visitadas