INGRID, DIRETO DO INFERNO

Numa sentada só li hoje na ponte- aérea Rio -Sp o livro " Cartas à mãe, direto do inferno" um pungente relato, na verdade uma catártica carta, escrita por Ingrid Betancourt para sua mãe Yolanda Pulecio e seus filhos Melanie e Lorenzo , além do enteado Sebastien. Escrito de uma vez só no dia 24 de outubro do ano passado é um relato comovente de uma mulher aniquilada em sua auto- estima, sem ânimo para mais nada que paradoxalmente vive através das conquistas dos seus filhos das quais ela tem notícias apenas por fiapos que lhe chegam até a selva através de um programa de rádio que dá voz aos parentes dos sequestrados. O livro me foi presenteado pelo professor Francisco Carlos Teixeira da Silva que participou comigo do programa "Sem Censura" e escreveu o posfácio do livro. Recomendo sobretudo para aqueles que ainda crêem que o conflito colombiano é um jogo maniqueista com mocinhos e bandidos. Ingrid na carta à mãe e aos filhos ,e os filhos em uma carta a ela, revelam por dentro o drama e o descaso de autoridades colombianas com os sequestrados. Uribe no mesmo grau de vilanidade que Marulanda, o líder das Farc.

Comentários

Mary West disse…
Muita tristeza e falta de noção das autoridades, o mundo naum é mais sensivel é isso que posso concluir.
rm disse…
Aceita a sugestão de leitura. Volto depois para comentar.
Gelsa Mara disse…
Ingrid, é claro, não é unica sequestrada, mas é aquela que tem maior visibilidade. Um livro como este é ideal para nos mostrar a atuação de dois atores do conflito: os guerrilheiros com sua crueldade e o governo com seu descaso.
DR!K@ disse…
Oi Ricardo, Estou fazendo uma resenha para apresentar na pós-graduação em relações internacionais sobre o livro da Ingrid Betancourt, e estou procurando informações a respeito da repercussão que o livro teve no meio academico e da emprensa? Você teria essa informação ou a onde posso encontrar?
Obrigada.

Postagens mais visitadas