sórdido demais


Faz calor , o teto é baixo, temo a dengue e minha voz está voltando. A televisão no meu cafofo no Leme está com volume baixo e eu não quero aumentar para ouvir mais sobre a morte de Isabella Nardoni, lá no Jaçanã em São Paulo. Não posso ficar nem mais um minuto ouvindo o imbecil do Jô Soares falando dos seus livros pífios enquanto ainda estou sob o impacto do noticiário das 11 da noite que me dão conta de que o pai da menina está preso e sua madrasta também. Fugi desse assunto ,não queria falar dele , pois é sórdido demais. Sórdido, triste, absurdo pensar que um ser humano possa ter matado e arremessado do alto de um prédio uma criança de cinco anos. Independente de ter sido o pai , a madrasta ou um intruso louco, o aterrador é saber que alguém foi capaz de fazer isso. Culpar os suspeitos de antemão é correr o risco de repetir o erro da escola -Base quando inocentes foram crucificados por escândalos sexuais que não cometeram. Por outro lado inocentar de antemão o pai e a madrasta é querer crer que os seres humanos não seriam capazes de tal atrocidade com pessoas tão próximas, tão ligadas por laços de sangue. Mas sabemos que os humanos são capazes de tudo. Até do linchamento sumário sem direito de defesa. A morte dessa menina linda e o circo que a mídia montou em torno disso espetacularizando mais uma vez o horror, tudo isso é sórdido demais.

Comentários

Dauro Veras disse…
Nem vou comentar esse assunto, você disse tudo. Entrei mais pra dar um alô e desejar boa sorte na nova empreitada. Vejo agora que você lançou um livro pela Letras Brasileiras - sou parceiro deles de longa data. Abração!
Patty Diphusa disse…
Triste, sórdido, injusto...é tudo que vc disse.


bjs
Fiquei sabendo do assunto agora, por aqui, Ricardo.
Não dá pra comentar mais profundamente, mas a lembrança do Escola-Base é bem apropriada.. Se há culpados, que sejam descobertos pela via legal e justa, e não pelo espetaculismo da mídia.. E independente de quem seja, é digno de nojo o escroto que fez isso..
Abraço
Marrie disse…
SILÊNCIO!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Adri Souza disse…
Ricardo

Vim aqui agradecer pelo comentário em meu blog, mas o seu texto me deixou estupefata. Você resumiu tudo o que conseguimos sentir diante de um acontecimento como este. Medo e tristeza. Seja quem for, a crueldade do caso choca. Mas o pior de td é ver que fatos como estes têm se tornado corriqueiros, me fez lembrar o assassinato do menino arrastado por um carro.

Espero tempos melhores.

Bjo
Adri Souza disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
rm disse…
Ricardo prezado,

misérias e atrocidades humanas não são propriamente grandes novidades... A história de todos os povos está repleta delas.

A novidade, nos nossos tempos, é a sua banalização, pela superexposição e pela exploração barata e desumana.

Não bastasse ter o estômago revirado pela notícia, há que se revirá-lo mais e mais por sua vil repetição.
Pablo Pamplona disse…
Dá pra sentir a sede de sangue dess mídia, que desde o João Hélio busca outro escândalo desses pra ganhar audiência. Eu tentava achar algo bom pra assistir (anteontem), mas todos os canais só falavam disso, ao mesmo tempo e com a mesma - sordidez. argh.
Ju disse…
eu silencio.
Marcio Gaspar disse…
tristemente, vivemos sob o 'efeito bigbrother', meu caro...
Lorita disse…
eu emudeço com tanta falta de amor. sim, pq um ser humano (?) que faz isso seja com quem for, só pode ser desprovido de sentimentos bons.

bjm
Anônimo disse…
Concordo. A imprensa explora, escatologicamente; a tautologia chega a ser irritante; o mau gosto é patente; contudo, como mostrar para a sociedade sua própria chaga, sem esvurmar-lhe o pus e o sangue? O cara que recebe cesta básica dificilmente acompanha 'pari passu' a realidade da polícia, os meandros da abulia e da venalidade congressista, os íncubos e súcubos da política tupiniquim. O organismo não questiona, mas segue com o processo de mitose, de meiose; as sinapses tanto são o pareamento de cromossomos homólogos quanto as ligações neuroniais. E a digestão do que se comeu resulta na fétida fez. Como atingir o "homem cordial"?
Plebiscito baseado em campanha eleitoral é improfícuo. Ainda, então, que seja pela pior forma, a sociedade precisa saber dos cânceres e das metástases que a atingem, ou então o tratamento jamais começará.
Anônimo, porque não posso identificar-me. Só por isto.
rm disse…
Vai me perdoar o comentarista anônimo, mas pouca utilidade tem o enfeite de linguagem.

Não é verdade que o cidadão comum, aquele que depende de esmola oficial, desconheça por completo o jogo político.

Por uma única razão: costuma ele mesmo, ser vítima frequente das resultantes desse jogo. Não compartilho a visão de que se deva tratar esse extrato da sociedade como tutelado inimputável, como índio ou como menor.

Bastaria que fossem tratados como cidadãos. Que não fossemos também obrigados a assistir as lamentáveis cenas de homicídio culposo nas filas da dengue no Rio Janeiro.

Por que comparo os dois casos, aparentemente tão diferentes? Em ambos falta pudor ou, para ser mais coloquial, falta vergonha na cara.

Num caso, certa imprensa abutre lambuza-se e emporcalha, ad nauseum, os meios de comunicação. Noutro, a desgraça cotidiana vira palco de encenação eleitoral.

Recorro aos versos do poeta mineiro Fernando Brant: "... de um povo que ainda olha com pudor, que ainda vive com pudor".

PS: e o panaca do ministro da saúde ainda tem coragem de dar entrevista... Um pouquinho de vergonha na cara, ministro: peça demissão!
Maira Parula disse…
puxa, ricardo, eu já vi muita coisa ruim, já soube de muita coisa ruim, tenho os meus calos. peguei o finalzinho da ditadura militar. mas essa história me deixou sem fala. eu fujo de pensar. e nem sei por que reajo assim. me machucou até mais do que aquela psicopata que matou os pais. não sei, mas a reação geral das pessoas é assim. não querer pensar. parece que a gente meio que se coloca no lugar da menina. não sei. perdoe-me o desabafo. fico por aqui. se der, vejo o sem censura. abração
Eu e Ela disse…
Já reparou que sempre que tem um aontecimento politico um crime hediondo passa a ter prioridade na midia???? As emissoras esqueceram das vitimas da dengue, dos cartões corporativos, dos hospitais de campanha, dos vazamentos de dossiê...
Parece até coisa encomendada....
Deus me livre desse pensamento!!!!!

É mais facil para um país que tem "liberdade de imprensa" julgar, condenar e induzir a midia a fazer o mesmo, antes mesmo das investigações terminarem, Quantos se desculparam publicamente aos proprietarios da escola Base que tiveram suas vidas destruidas????

To com medo do Brasil...

Bjs
Anônimo disse…
Covardia machucar e matar crianças
totalmente indefesas.
Tenho uma filha pequena. Meu amor por ela está acima de tudo e nunca bati ou a fiz sofrer, então me pergunto será que o pai foi capaz?
Será que conseguirá viver com a culpa?
Prefiro acreditar que haja e apareça outro culpado e que a justiça seja muito bem feita.

Picutta.c
Carol Rocha disse…
Ricardo, estou cobrindo esse caso para o site do terra, e digo que é punk demais. A imprensa realmente exagera, mas a nossa função é cobrar justiça.
Acho que não dá para comparar essa história com a Escola Base. Os fatos são bem diferentes. Houve um crime, é fato. E o casal são as únicas pessoas que podem esclarecer o que aconteceu naquela noite terrível...
Condená-los antecipadamente ao desfecho da investigação é errado, concordo. Mas quem os condenou primeiro foi o promotor. É só analisar as declarações dele, inclusive as mais recentes.

Postagens mais visitadas