ÚLTIMA NOS 48

Tenho quase certeza que é desde os 16 anos que escrevo as minhas "últimas". Me explico : horas ou até minutos antes de fazer aniversário, o que não curto , eu escrevo as minhas "últimas" impressões com aquela idade que vai deixar de existir. São , pois, mais de três décadas de "últimas" inúteis, algumas perdidas nos meus amontoados desorganizados de escritos. As "últimas" ( parodiando Arthur Bispo do Rosário)são os registros de minha passagem sobre a terra e não tem a menor importância a não ser para mim mesmo pelo fato de serem apontamentos muito intimos e pessoais e eu ser um escritor menor num país menor, numa época em que escrever não tem a mesma importância. As minhas "últimas" me dão a impressão de que , pretensiosamente, de alguma forma, eu possa estar fazendo um diário anual , resumindo, momentos anos de fazer aniversário, as sensações que vivi no ano anterior. Ou pelo menos o que estava condensando no último dia de certa idade.As sensações e impressões vividas no ano que passou. Chega de explicar senão vou complicar. Como esse é o primeiro ano de minha vida em que possuo um blog vou dividar minha "última dos 48" com os amáveis prováveis leitores. Deixo , para ilustrar, a imagem de uma retroescavadeira que se não é poética ao menos define meu estado de espírito atual. Essa "última" , nesse ano, está mais genérica e menos intima e pessoal. Por isso tá valendo. Espero não te-los decepcionado até porque isso aqui ficou mais com cara de "querido diário" do que outra coisa. Mas um blog também não é uma espécie de diário de bordo , registros de nossa passagem sobre a terra ? ÚLTIMA NOS 48


Olho para trás e não vejo. E tenho aqui para mim que se não vejo é muito mais pela miopia do que pela incapacidade de enxergar. Não me vejo entre fraldas brincando no jardim da casa do meu avô nem me vejo destruindo um urso sujo de pelúcia . Também não me vejo arrancando a casquinha de uma ferida após um tombo de bicicleta e nem me vejo mais sonhando ser poeta, atleta, o moço da motocicleta.
Olho para trás e não vejo meu avô a preparar rabanadas e nem vejo minha avó a me forçar a tomar sopa de ervilhas. Não vejo a areia que joguei nos olhos de outro menino e meu coração miudinho rejeitado num salão de baile. Não vejo pois minha falta de traquejo, não vejo a serra que contornei na neblina, não vejo o cavalo que não domei e do qual cai , não vejo a represa turva de tilápias , não vejo a temperatura do meu corpo subindo, subindo, subindo.
Olho para trás e não vejo poesia, nem vejo apólogo brasileiro sem véu de alegoria . Estou mais próximo da lira dos cinqüenta anos da qual falava Manuel Bandeira e minha saudade é uma enorme retroescavadeira a aparar os barrancos da vida .
Olho para trás e não vejo a touceira de mato junto à qual meus pais estão sepultados e nem vejo a claridade do dia em que meu filho nasceu me jogando em outras luzes do mundo. Não vejo os dias que quebrei meu dedo jogando basquete, nem o dia que me escondi dentro de uma manilha gigante ou o dia que, sabotador, mijei dentro de uma bateria de caminhão que destruía nosso campinho de futebol.
Olho para trás e não vejo minha infância, nem a mesa de fórmica vermelha, nem o sagu de sobremesa , nem a porta de tela que separava a cozinha das moscas do quintal. Não vejo a parreira de uvas , os canarinhos despenados, meus calçados furados nos dias de muito frio.
Não, por favor, não me vejo um senhor prestes a completar 49 anos. Na verdade acho que não cresci se crescer significar representar, tripudiar, enganar, desconsolar. Confesso que não ando lá muito otimista mas é que apesar de sufocar uma certa aspiração de artista eu ainda acho que a criação, seja ela qual for, ainda é a mais divina das manifestações humanas.
Olho para trás e não vejo o menino que aprendeu. Vejo o tiozinho que perdeu o fio da meada, aquele tipo que procura uma jóia que perdeu no meio fio. Assim , sem outra opção além de mirar a calçada, fico imaginando que a enxurrada que desce lava todas as impurezas e leva para o mais fundo dos fundos esgotos as minhas certezas.

Ricardo Soares
7 de junho de 2008 - 18 e 20

Comentários

Pinto disse…
O fundamental é manter esse seu corpitcho de 18.

Falamos amanha.
Jake Mello disse…
Quando o tempo, vira teempão, cria ares e charmes de vilão...mas são só ares.
!
!
Eu acho.
Feliz Aniversário e
"Soma as tuas facilidades,revisa as bençãos que usufruis,enumera as vantagens e os tesouros de afeto que te coroam todos os dias e socorre aos companheiros desfalecentes da estrada, buscando soerguê-los ao teu nivel de entendimento e conforto" (Chico Xavier)
Serás Feliz... Um ótimo Ano Novo (49)
toda pura disse…
Você não é futebol, mas é uma caixinha de surpresas!
E "ao não se ver", desnudou-se belamente.
Feliz aniversário.
Beijo...

"eu sou como eu sou
pronome
pessoal intransferível
do homem que iniciei
na medida do impossível

eu sou como eu sou
agora
sem grandes segredos dantes
sem novos secretos dentes
nesta hora

eu sou como eu sou
presente
desferrolhado indecente
feito um pedaço de mim

eu sou como eu sou
vidente
e vivo tranquilamente
todas as horas do fim."

Torquato Neto
poetriz disse…
Eu sei exatamente porque não vês nada. Estás olhando pro lugar errado!
Não é pra trás que se olha em momentos assim, é pra dentro!
Se não sabes: tu cresces pra dentro!

E dentro, tenho certeza, bate um coração com algumas cicatrizes, mais forte e que ainda tem muito pra crescer!

Um grande beijo!
E fôlego pra assoprar as velinhas!
E pra criar mais "últimas"!
Dauro Veras disse…
Parabéns! E já que a idade nova é tempo de rever conceitos, que tal compartilhar seu diário de bordo mais vezes com os leitores, e não apenas na véspera de fazer aniversário? Entre tantas coisas que você não vê mais, há outras que você continua vendo através do véu do quase-esquecimento, mesmo que não queira. Abraço!
Ricardo,
Parabéns!!!
Não se esqueça de que as "últimas" serão as primeiras.. srrsrs
muito carinho meu para vc!!
beijos
Alessandra Pilar disse…
Verás!

Adorei a idéia de escrever "as últimas". Posso copiá-lo? Fiquei com vontade de fazer igual. Que grande maneira de terminar um ciclo e dar início a outro. Adorei.

Ah! Feliz Aniversário! E que muitos outros venham.
Michele Prado disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Michele Prado disse…
Essa postagem me fez lembrar uma entrevista com o Fernando Sabino. Quando questionado sobre seu "ideal de hoje", ele respondeu: "(...) Meu ideal hoje seria um dia reencontrar o jovem que fui e ele poder me estender a mão, dizendo: você não me traiu. ­ Em tudo que acreditava, você continua acreditando".

Com 48 anos, o Ricardo menino ainda está aí. Parabéns!
may shuravel disse…
Feliz aniversário, Ricardo, e que a vida continue bela, e continue, e continue...

nunca sei ao certo
se sou um menino de dúvidas
ou um homem de fé

certezas o vento leva
só dúvidas continuam de pé
paulo leminsky

um abraço
May
Querido Ricardo, do querido diário

Me parece em "Sua Última nos 48", que está com medo. Perdoe-me se me engano, mas, do pouco que te conheço, sei que me entenderás que acredito que medo é para os fortes. Os fracos não se amedrontam porque desconhecem os riscos. E, se vi um certo medo no seu texto é porque você sabe que quando se passa de uma fase a outra é possível perder. E há medo em perder as boas coisas que, ainda, sobram em nós. Assim, no seu caso, das lembranças de sua infância, e outras situações do seu mundo.

Entender essas mudanças e saber mudar com elas também são tarefas dos "bravos". Acho que usou bem a imagem da retroescavadeira. Não por sua fortaleza, mas, pelo cárater de desbravar, sempre, terras na busca do novo, do que virá. E, você faz isso, como sempre mostra aqui, no seu "Todo Prosa". Sempre em busca do novo.

Do contrário meu querido, você deveria curtir seu aniversário, alguém que desbrava o mundo só tem que se orgulhar, ainda que sejam de suas dores.

E não se preocupe, se quiser, e sei que quer, será sempre menino, com 20, 30, 49 ou 60. O segredo não está no corpo e sim na alma.

agora chega que esse comentário está ficando muito piegas...rs..rs..rs..rs...

ando meio piegas ultimamente.. sorry..rs..

Bem-vindo aos 49, que esse novo ano tenha muitas emoções para você.

E que todos os seus DESEJOS se realizem. Sempre torço para que as pessoas, que conheço ou não, realizem seus desejos. Até aqueles que não temos coragem de contar em voz alta. ;)


Um beijo e Feliz Aniversário.
Ricardo Soares disse…
Como pode um cabra ficar macambúzio se ao escrever mal traçadas e despretensiosas linhas no seu blog recebe afagos e palavras tão belas daqueles que esse espaço frequentam ? tanta coisa bonita que fica difícil agradecer um a um... por isso deixo no post que vem depois uma música de paolo conte de presente e uma foto de minha musa sonia braga que aniversaria no mesmo dia...poxa, até a urtigão se adocicou, a toda pura se desarmou, o dauro reapareceu , o pinto deu ar das graças ... a alessandra, vc pode usar a idéia a vontade!!! a jake, que criativa mensagem...assim como o açúcar e o afeto da ana paula, da k ( poxa que texto belo!!!), da poetriz, da michele , da may... poxa!! assim me desarmo sempre e vou fazer aniversário todo dia...vcs tornaram um dia que foi bom muito melhor... beijos e abraços a todos...

Postagens mais visitadas