Aversão aos políticos

Arthur Virgílio Neto, exemplo do que há de mais sofrível na política nativa

As vezes julgo necessário explicar aos amáveis leitores desse blog minha implicância com a classe política em geral e com alguns políticos em particular. É que por princípio eu não os levo a sério visto que (salvo raríssimas exceções) eles não nos levam a sério . O que visam em primeiras e últimas instâncias é se locupletar. Dinheiro, influência , poder e sexo fácil é o que querem , não necessariamente nessa ordem.
A principio desconfio quando alguém diz ter vocação política pois “pretendo servir ao meu país” como diz Ciro Megalô Gomes meu arquétipo preferido de político ridículo , risível e equivocado não só por suas desmesuradas ambições políticas como por sua total incapacidade de rir de si próprio. É fundamentalmente um almofadinha caipira e de valores provincianos querendo se passar por cosmopolita. Mas não vou me ater a esse cidadão patético que tão bem representa a classe política nativa e explicar minha aversão no geral e os motivos que me levaram a criar nesse blog seções como “ Política é o fim “ e “Pra que serve...”
O que incomoda na politicalha em geral é que eles sempre se acham ungidos de talentos e poderes especiais que os fazem se achar melhores que a maioria dos mortais e portanto capazes de nos governar. Em tese sou um anarquista utópico e não admito que alguém possa ter ascendência sobre mim a ponto de dizer o que devo fazer, comer , olhar. Mas já que o sistema é assim que ao menos sejamos guiados por gente iluminada, faróis de sabedoria , humanismo e transparência. O que ocorre na maioria brutal dos casos é justamente o contrário. Quem quer nos governar tem pouco a nos ensinar, tem valores pífios e materialistas, tem pouca cultura, pouca profundidade, pouco conhecimento , muita superficialidade e um incontável repertório de frases feitas. Exemplos ? ora, o já citado caloteiro Ciro Megalô Gomes é apenas um dos muitos exemplos. Um nome apenas numa lista que pode incluir desde Aecinho Neves a Arlindo Chinaglia passando por elementos como Artur Virgilio Neto , Acm Mirim ou Acm Neto, Garotinhos, Rosinhas e Idelis Salvattis, João Paulo Cunha, Heráclito Fortes, Ney Suassuna e tantos outros de matizes ideológicos distintos porem convergentes na arte de se dar bem. Fico cético apenas com esse meu próprio raciocínio pelo seguinte : quanto mais descremos neles mais eles aprontam pois não os vigiamos. E quando devíamos exercer nosso poder na hora do voto não o fazemos. Elegemos e reelegemos essas mesmas lesmas lerdas que ao terem o domínio do vocabulário tosco essencial pra tapear o leitor vão nos engambelando vida afora. Só assim para explicar que num país de inúmeras possibilidades como o nosso tipos como Heloisa Helena , Ciro Megalô e Garotinho possam se apresentar como alternativas presidenciais. Ora leitores, se eles podem eu e você também podemos né não ? Será que consegui explicar um pouco o meu asco pelos políticos ?

Comentários

AMMedeiros disse…
Ai! Ricardo! Se eu te contasse como é por aqui neste mágico jardim à beira-mar plantado!...

Asco???... E será que no nosso Acordo Ortográfico não encontraremos uma palavra menos eufémica?...

Um beijo
Alexandre Core disse…
Ola Ricardo,

Sinceramente achei esse texto um tanto confuso. Você não entrou ou não explorou melhor o mérito do motivo para o asco, ainda que ele seja para todos nós mais do que evidente. Com isso, o texto ganhou um ar apenas de clichê tantas vezes já batido por todos que estão saturados com a política e com os políticos.

Como você mesmo colocou, há diversos motivos para que tenhamos nojo de diversos desses nomes. Mas até pra isso há nivéis diferentes e tolerâncias diferentes para essa ojeriza. Em alguns casos é pelo cinismo, em outros, pela inépcia de alguns políticos.

um abraço,
Ha ha ha.. "ACM mirim" foi a melhor.. rs ri muito aqui, Ricardo..
Mas quanto ao que dizes, duas coisas me vêm à mente.
Primeiro, acho que temos algumas nobres exceções. O Milton temer, do PSol, seria, na minha visão, um excelente presidente, se as pesquisas não dominassem o imaginário do povo daqui, como dominam. Ao menos em tese, por sua postura e pela maneira como se revolta, o que me diz muito.
Gosto também do Paulo Ramos, que é candidato a prefeito aqui no Rio.
Mas - e aí entro na segunda questão -, concordo contigo em relação a essa imensa maioria de canalhas que domina o cenário político-partidário. E por quê? Por conta de que as pessoas que aprendem a rir de si mesmas, como você cita muito bem, jamais se interessam pelo papel tolo de "líderes".. Quando se atinge determinado nível de reflexão, o poder e o dinheiro deixam de ser deuses e passam a ser meros objetos de galhofa e de exercício crítico.
Ora, quem pensa não quer dominar, mas refletir. Se há uma ética possível esta se encontra justamente em confrontar versões o tempo todo. Existem verdades.. mas elas nunca são eternas.
O cara que se pretende poderoso gosta de jogar com a credulidade da maioria incauta. Isso porque, apesar de existirem realmente pessoas como você, que buscam pensar no que fazem o tempo todo (grupo no qual me incluo), a grande maioria quer mesmo é uma "sainha" para se agarrar.. E é aí que a canalhada se farta..
Abração
Anônimo disse…
Ricardo,
Nada poderia ser pior para o Brasil do que o Ciro Megalô Gomes presidente.Ele é de longe o que de pior na política brasileira.
Deoclécio Feitosa Fachine

Postagens mais visitadas