BRANCO SUJÃO


"O branco inventou que o negro quando não suja na entrada, vai sujar na saída...que mentira danada.... Na verdade a mão escrava passava a vida limpando o que o branco sujava. Êta branco sujão!” – Gilberto Gil

Feliz a lembrança desses versos presentes na música "Mão da Limpeza" do Gil evocada nos comentários do post logo abaixo sobre Obama. O autor da lembrança é o Marcinho Gaspar,velho companheiro de velhas jornadas, neo-blogueiro ( Quase Pouco de Quase Tudo)e um dos otimistas sobre a vitória de Obama que comentaram aqui ontem . Aliás comentários tão ponderados, bem humorados, inteligentes ou macunaimicamente tão preguiçosos, como o da Mara, que só podiam mesmo ser respondidos com outro post. Respondo pois ao coletivo usando dos argumentos individuais aqui expostos pelos já citados Marcinho e Mara e mais a intrépida K, o contudente RM, a adomingada Kiara, o cauteloso Ricky Mascarenhas, ao Angelo Alfonsin indignado e ao terno ninho da Ana...

A questão meus queridos amigos da blogosfera é que quando a realidade vai além da ficção , quando a realidade nos sacode do marasmo consumista industrial no qual repousamos, somos "forçados" A ACREDITAR que a mudança é possível. É a emoção ( manipulada) à qual a K. se refere, é a emoção barata , o sonho da igualdade que nos vendem quando um negro americano com sobrenome muçulmano chega ao epicentro do império. Somos forçados a crer que se uma bala não encontrar a testa ou o coração de Obama ele poderá transformar o planeta em um lugar melhor. Até porque (digo e repito) qualquer porcaria ( não é o caso do Obama) é melhor que o hediondo cowboy de quermesse George W. Bush que , como lembra o Marcinho, é avaliado como dos piores, senão o pior, presidente americano de todos os tempos. Obama também representa o sonho americano sim senhor. Mas é o sonho possível. O negro bonito, elegante, confiável, educado que pode frequentar os salões dos brancos sem fazer vexame. O negro cordial, o negro que não é pantera negra, não é Malcom X, o negro que é votado pelos brancos. O negro que os racistas convidariam para tomar limonada gelada nas cozinhas limpas dos seus casarões do Mississipi ou do Alabama. Obama é o negro bom moço, o negro esguio, classudo, light. Nada disso o desmerece . Mas nada disso o coloca na condição de salvador do mundo visto que tem que desmanchar e limpar anos e anos de cultura belicista cultivada a sangue e dinheiro pelos boçais da era Bush. A cultura do guerreiro , do marine salvador do planeta, do mercenário libertador de ditaduras como Saddam Husseim . Bush é o maniqueísmo. Obama é o politeísmo ? São enigmas a serem destrinchados nos próximos quatro anos. Negro limpando o que os brancos sujões emporcalharam. Mas continuo São Tomé : quero ver pra crer. Obama não chegou onde chegou impunemente. É o negro que não assusta os muito brancos conscientes. É o negro que propõe rupturas mas se alia a tradições. Quatro anos de muitas ações, reações ou decepções ?

Comentários

leve&solto disse…
Hoje menos preguiçosa...rs

Muitas pessoas estão vendo Obama como Deus. Aquele que será capaz não só de melhorar como consertar as merdas feitas por anos.

Meu entendimento, opinião pessoal e humilde comentário é que não adianta colocar todas as esperanças somente na figura do Obama. Porém, acredito sim em mudanças, o "novo" que compreenderá uma equipe nova, idéias diferentes, e a esperança de que ele, Obama, ao menos não cometerá os grandes erros da era Bush...
Pra começar, acho que já estaria bom!
E, vamos falar sério: que tal esperarmos o "moço" arregaçar as mangas, iniciar seu trabalho pra depois avaliarmos??
Não sou muito chegada a julgamentos antecipados...

grande beijo

Mara
leve&solto disse…
EM tempo:


Acabei me perdendo e nem falei sobre o "poder negro"!

Acho que foi de propósito pois eu realmente não consigo ver tais diferenças.
angelo alfonsin disse…
Muito obrigado pelo post, Ricardo, te ler é um grande prazer, um texto que faz falta na imprensa.
Tomara que Obama não seja uma nova Benedita.
Viva Malcom X.
angelo alfonsin disse…
E Stockley Carmichael, também !
João Renato disse…
Prezado Ricardo,
Acho que Obama é um pouco diferente do que inicialmente parece, pois ele não é exatamente um afro-americano.
Obama não é descendente de escravos, ele é o filho de uma ativista política branca com um estudante universitário africano cujos antepassados não colheram algodão nem folhas de tabaco nos Estados Unidos.
A sua relação com o preconceito racial também é diferente, pois ele foi educado numa família branca. E também teve a experiência de viver na Ásia.
A única coisa que ele tem em comum com um afro-americano é a cor da pele.
Eu acho que a visão de mundo dele é muito mais complexa do que parece, e não acredito que outros políticos norte-americanos tenham uma história de vida tão rica e variada como a dele.
Um abraço,
JR.
Ana disse…
Ricardo,
Obrigada pela resposta-post. Não gosto do endeusamento que estão fazendo do Obama, é uma cobrança muito pesada, e apenas sinaliza que a fiscalização de todos os seus atos será implacável.
Parodiando 2006: Deixa o homem trabalhar!
E que venha o fim do embargo a Cuba, o fim das guerras patrocinadas e realizadas pelos EUA, mais respeito aos latinos e aos povos de todo o mundo. E que finde a política opressiva de Bush. E que os povos tenham respeitado o sagrado direito de escolher seus governantes (canalhas, ditadores, corruptos ou não).
Bush já era, e apenas isso já basta para mim, por enquanto...
Alexandre Core disse…
Ricardo,

Por que será que eu tenho a impressão de que o Obama irá decepcionar (ou não) tanta gente?

Será que é porque:

1. Ele foi admirador e companheiro de protestos do pastor Louis Farrakhan, aquele segundo o qual “o judaísmo é a religião do esgoto”. Isso faz tempo, mas depois de eleito senador ele deu 225 mil dólares em verbas federais à igreja de seu amigo Michael Pfleger, onde Farrakhan é um dos mais freqüentes e aplaudidos pregadores convidados.

2. No Quênia, ele deu apoio eleitoral a um agitador que depois organizou a destruição de trezentos templos cristãos e o assassinato de mais de mil fiéis, cinqüenta deles queimados vivos numa igreja, sem que Obama viesse a dizer uma só palavra contra essa gentil criatura.

3. Ele disse que o terrorista William Ayers (da quadrilha do “Homem do Tempo”) era apenas um seu vizinho com quem jamais conversava de política, mas depois se descobriu que ele e Ayers dirigiram juntos uma ONG que coletou 72 milhões de dólares para movimentos de esquerda, sendo um interessante exercício intelectual conjeturar como puderam fazer isso sem falar de política.

4. Neste preciso momento ele responde na Pensilvânia a um processo de falsidade ideológica, por ter apresentado a seus eleitores uma certidão de nascimento obviamente forjada. A verdadeira, se existe, até hoje não apareceu, e o beautiful people da mídia não releva o menor interesse em conhecê-la.

5. Embora ele diga que sempre foi cristão, todos os seus colegas e professores de escola primária, bem como seu meio-irmão e sua meia-irmã, afirmam que ele era muçulmano na época em que ali estudava.

6. Por duas décadas ele freqüentou semanalmente uma igreja que alardeava a “teologia da libertação” mais escancaradamente comunista e anti-americana, e depois disse que não tinha a menor idéia do conteúdo do que ali se pregava.

7. Não é só sobre suas origens ou sobre sua religião que Obama cultiva segredos. Também não é só sua certidão de nascimento autêntica que continua inacessível. Embora gabando-se de sua carreira em Harvard, ele se recusa a mostrar o histórico de seus estudos universitários. Os fofoqueiros maldosos dizem que ele tem vergonha de mostrar suas notas baixas (talvez ainda mais baixas que as de George W. Bush, Al Gore e John Kerry), mas agora se sabe que ele tem um motivo mais forte para encobrir os detalhes da sua passagem por Harvard: seus estudos ali foram pagos por Donald Warden, um americano que, islamizado sob o nome de Khalid Abdullah Tariq al-Mansour, veio a se tornar um dos mentores do grupo terrorista Panteras Negras, fund-raiser para a organização pró-terrorista African-American Association e autor de um livro segundo o qual o governo americano planeja matar todos os negros.

8. Em cinco campanhas eleitorais, o mais ativo coletor de fundos para Obama foi o vigarista sírio Tony Rezko, condenado por dezesseis crimes. Uma vez no Senado, Obama retribuiu com dinheiro público a gentileza, convencendo vários prefeitos a investir um total de 14 milhões de dólares num projeto imobiliário do malandro.
rm disse…
Ricardo,
bom post. Ao invés de eu apresentar um conjunto de argumentos, vou preferir, dessa vez, destacar alguns aspectos do seu texto, com o objetivo exclusivo de contribuir para o debate:

1) "É a emoção ( manipulada) à qual a K. se refere, é a emoção barata , o sonho da igualdade que nos vendem quando um negro americano com sobrenome muçulmano chega ao epicentro do império. Somos forçados a crer que se uma bala não encontrar a testa ou o coração de Obama ele poderá transformar o planeta em um lugar melhor."
O caráter fortemente simbólico da eleição de Obama não decorre só da questão racial, implícita no novo quadro sócio-político. Talvez seja ainda mais expressiva no que respeita ao que você chamou de "marasmo consumista industrial"; alguns de "sociedade pós-moderna e ainda outros de "mundo pós-queda do muro de Berlin".
A sociedade americana poderia ter escolhido manter o conservadorismo da ideologia única. Ou a apatia da desilusão "pós-moderna". Mas preferiu, maciçamente, o caminho civilizatório, democrático.

2) "Até porque (digo e repito) qualquer porcaria ( não é o caso do Obama) é melhor que o hediondo cowboy de quermesse George W. Bush que , como lembra o Marcinho, é avaliado como dos piores, senão o pior, presidente americano de todos os tempos."
O mesmo W Bush que também já deteve (pós 11 de setembro) os maiores índices de popularidade.
Sinceramente, acho que é critério de somenos importância.

3) "Mas é o sonho possível. O negro bonito, elegante, confiável, educado que pode frequentar os salões dos brancos sem fazer vexame. O negro cordial, o negro que não é pantera negra, não é Malcom X, o negro que é votado pelos brancos."
Sei que não é o seu caso, mas trata-se de um argumento, no mínimo, preconceituoso. Divide os negros em duas categorias, confiáveis ou não. Acho completamente divorciado da realidade americana, em que nós, "brancos" latinos, seríamos facilmente tratados como negros.
Além disso, Obama que faz, certamente, parte de uma elite negra, só o pôde fazer por conta das lutas decenais pelos direitos humanos e civis, feitas por negros (de todo tipo) e brancos.
Não tenho qualquer dúvida de que Obama representa os negros americanos.

Curioso o comentário de Alexandre Core. Talvez fosse o caso dele citar as fontes.
Marcio Gaspar disse…
o alexandre core vem com todos os argumentos usados inescrupulosamente pela campanha do mccain; argumentos estes, jã devidamente refutados e desmoralizados. o cara deve ter poster da sarah palin no quarto, aquela que acha (e disse) que a africa é um país, e não um continente. o tal do alexandre deve ter a mesma profundidade intelectual da lamentável ex candidata a vice.
Marcio Gaspar disse…
ah! e o racismo nos eua está longe de acabar. o pior emprego do mundo? deram pro negão, hahaha!
Edna Federico disse…
Estão botando muita fé nele, muita expectativa, tomara que ele consiga segurar a onda e empurrá-la pra frente.
Eu, como eterna otimista, torço pra que ele faça a diferença.
Beijo
Atrasada, pra variar... mas, não podia deixar de passar por aqui. Mas, o que dizer diante de tantos comentários bons? Para não me repetir, já que estou na semana Hemingway, repito as palavras dele porque sou uma otimista por natureza.

"É uma estupidez não ter esperança"


Como disseram por aqui, vamos deixar o homem trabalhar! rs

Ahhhhhhhhh também tem um outro escritor (adivinhe se puder :P), tão famoso quanto Ernest, nestas terras roxas, que diz que: "quem, quem, quem garante que era sábio ou mesmo um mestre com carinho".

quem? rs

não há garantias meu caro. Vide o Brasil.


beijo grande.
leve&solto disse…
Ei K, parece que já li isso "quem, quem, quem...." rsrsrs

Se não me falha a memória está na lista dos seus últimos livros lidos.. Estou certa?!

Bjs
Maroca,

esse escritor é tão, tão famoso que estou me borrando de medo de escrever lá no meu humilde cantinho sobre ele..rs..

mas, como sou teimosa, farei assim mesmo...rs....

correndo o risco de perder o pescoço..rs (ou não)..rs


beijos!
Alexandre Core disse…
Marcio Gaspar,

Argumentos refutados e desmoralizados? Diga-me onde! Ele até agora não conseguiu responder a essas questões.

Outra coisa interessante: Eu não sou americano, eu não voto nos EUA. Estou fazendno um comentário num blog assim como você e colocando qual a minha opinião sobre o assunto...mas aí vem você achando que quem não concorda com o seu ponto de vista é porque, como é mesmo?, "deve ter poster da sarah palin no quarto" e ainda procura me desqualificar afirmando que eu devo "ter a mesma profundidade intelectual da lamentável ex candidata a vice".

Nem é preciso dizer no que você acredita. Sua linha de raciocínio já identifica a que grupo pertence. Comportamento típico de um esquerdista que procura desqualificar e ofender quem não tem o mesmo ponto de vista que o seu.
Alexandre Core disse…
RM,

Pois não! Seguem as fontes. É muita coisa. Por isso que ter FÉ em Obama é uma boa...não é preciso ler tudo isso, basta acreditar cegamente, como muitos estão fazendo, no CHANGE.


http://www.wnd.com/index.php?fa=PAGE.view&pageId=80008

http://www.ibdeditorials.com/IBDArticles.aspx?id=305420655186700

http://www.newsmax.com/headlines/obama_secrecy/2008/10/22/143157.html?s=al&promo_code=6DF8-1

http://www.americanthinker.com/blog/2008/10/archives_prove_obama_was_a_new.html

http://atlasshrugs2000.typepad.com/atlas_shrugs/2008/10/how-could-stanl.html

http://article.nationalreview.com/?q=NDZiMjkwMDczZWI5ODdjOWYxZTIzZGIyNzEyMjE0ODI=

http://www.youtube.com/watch?v=8vJcVgJhNaU

http://www.youtube.com/watch?v=7NmaZIdz6Vo

http://michellemalkin.com/2008/08/27/obamas-ayers-problem-deepens/

http://theobamafile.com/ObamaLies.htm

http://www.wnd.com/index.php?fa=PAGE.view&pageId=79391

http://www.obamacrimes.com/

Postagens mais visitadas