Se vê o que não se vê

Se vê o que não se vê

No céu de São Paulo
Não há estrela da vida inteira
Como queria o recifense Manuel Bandeira

O que há é estática
Muita agressão à gramática
Chiado , nuvem escura, aeronave metálica

Este céu não é cortado por anjos
Nem banjos afinados
Guiam nossos mortos musicais

Ninguém desencosta a mão da buzina
Nem bunda gorda desentala da latrina
Na rua não se sabe
Quem é homem ou menina
A ilusão de ótica
Reina sobre nossa retina

Ricardo Soares
26/09/94

Comentários

leve&solto disse…
Ei Ric, a maratona cultural que está deixando vc aflorar (e permitir que a gente compartilhe) seu lado poético???

Tô adorando!!!

beijo que não se vê pra vc

Mara
Ricardo Soares disse…
não Mara !!!! não é a Mara Tona ( hehehe) que está fazendo aflorar meu lado poético... eu é que estou perdendo a vergonha na cara mesmo e vou deixando sair um tiquinho dos versos dos meus baús de guardados...não sei ainda se os leitores vão deplorar ou gostar mas resolvi mostrar aos poucos, muitos anos depois, os versos que jazem nas gavetas...
kiss
leve&solto disse…
Continue faxinando as gavetas.

bj

Postagens mais visitadas