Lembrei de Dina Sfat

Outro dia, a fuçar o facebook aqui em Luanda, dei de cara com a deslumbrante foto acima de Dina Sfat , mulher e atriz que era rara soma de beleza com inteligência o que tanto faz falta hoje em dia na era das celebridades bonitonas e estupidificadas. Essa foto bela que eu desconhecia me levou de volta no tempo como me vem ocorrendo com frequencia não sei se por ter chegado  à idade de já ter memórias ou se é o ar da capital de Angola que me inspira isso. Mas sucede que viajei  a 1989 quando vi ao vivo pela primeira e derradeira vez Dina Sfat. Ela havia acabado de chegar de uma viagem de trabalho de Moscou e estava deslumbrada com o que tinha feito e visto.Apareceu no  "Metrópolis" da Tv Cultura para uma longa entrevista ao vivo quando eu era apresentador  do programa. Como o papo era longo tínhamos um intervalo entre dois blocos. Aí a produção me trouxe uma porção de perguntas que os telespectadores faziam a respeito da doença de Dina (câncer) e eu, constrangido, fiquei sem saber se devia ignorar a curiosidade de quem nos assistia ou devia abordar o tema. Como as perguntas eram muito respeitosas e denotavam preocupação com a saúde da atriz resolvi  falar ao ouvido dela que as pessoas estavam perguntando sobre a doença. Dina, serena, olhou pra mim e disse :
     ---Se você não for ficar o resto do programa falando sobre isso pode perguntar ...
Foi então o que fiz na volta do intervalo. Ela respondeu sobre a questão com a maior dignidade,deu notícias do tratamento ao qual se submetia e mudamos de assunto. Estava mais bela do que nunca, nem um pouco abatida. Por isso foi com surpresa , triste surpresa, que pouco menos de um mês depois recebi a notícia da morte da bela e talentosa Dina Sfat.  Cada vez que revejo cenas de "Macunaíma" de Joaquim Pedro de Andrade ou de "Tati, a garota" de Bruno Barreto fico pensando como atrizes com o talento e personalidade de Dina fazem falta. Há alguns anos gravei um programa especial sobre Clarice Lispector e por conta disso conheci a atriz Bel Kutner, filha de Dina, que interpretou alguns dos textos da autora de "Laços de Família" em locações no Jardim Botânico carioca. Me surpreendi como ela lembrava a mãe. E me surpreendo por perceber que Dina continua viva e bem disposta na minha memória e na de muita gente que cultuava o belo em todas as suas instâncias.  

Comentários

edson disse…
Linda e com conteúdo.
Raridade nas atuais globais.
Abraços além mar.

Edson
elisabete cunha disse…
Sexy e talentosa.Faz falta!
Josue disse…
De fato, é revigorante e até revivescente relembrar figura ímpar nas artes.....lembro-me dela quando, aos dez anos sua figura singular em Selva de Pedra me chamava a atenção....Gratas lembranças...
Maria disse…
Lembro claramente da Risoleta de Saramadaia... aliás Dina representava como poucos seus personagens, faz muita falta.
Maria disse…
Muitas saudades de Dina Sfat, grande dma da Televisão, Teatro e Cinama Brasileiro.
Mary Josy disse…
Continuo com saudades, principalmente ao ver Bel Kutner, sua filha, que lembra muito a mãe.

Postagens mais visitadas