ROBINSON CRUSOÉ, O VERDADEIRO,finalmente...

     
     "Dádivas são os clássicos". Frase feita que alguns intelectuais pedantões adorariam mas que cabe como luva para definir alguns clássicos da literatura universal  como o  fascinante livro "Robinson Crusoé"do lendário Daniel Defoe que muito antes de beatniks e de mochileiros,intergaláticos ou não, narrava as venturas e desventuras de um personagem que colocou o pé na estrada( no caso aqui, no mar) e caiu no mundo tendo passado, entre outras sagas,quase 30 anos numa ilha deserta.
       Enorme é o arrependimento tardio de só ter tido  acesso à versão integral e verdadeira do livro agora quando coloco o ponto final na leitura dessa tradução (de Domingos Demasi) que foi realizada para a competente coleção "Clássicos de Aventura" organizada para a editora Record pela escritora Heloísa Seixas onde constam ,entre outros títulos , " As Viagens de Gulliver"de Swift  e "A Ilha do Tesouro " de Robert Louis Stevenson.
       Conhecer alguns clássicos ao qual tivemos acesso de maneira diluída tem lá suas vantagens. No caso de "Robinson Crusoe" é descobrir que Defoe foi muito mais talentoso do que se imaginava e antecipou de melhor maneira recursos de estilo e narrativa ao final do século XVII que foram muito melhores que alguns usados posteriormente por criadores que fizeram inclusive a televisiva série LOST que se utilizou fartamente do material ficcional concebido por Defoe séculos antes.
       Se você não leu recomendo muito especialmente a edição a qual me referi ( cuja capa está acima) porque entre várias incontáveis surpresas você vai descobrir que o protagonista não teve suas incontáveis aventuras apenas no mar ou na ilha deserta onde se refugiou com seu criado Sexta- Feira.Sua saga passa por um Brasil Imperial disputado por portugueses e espanhóis e por nevadas planícies cobertas de neve numa França longinqua assombrada por alcatéias de lobos famintos e ferozes.Grande Defoe! dando aula de estilo até hoje.

Comentários

Olá estou começando um trabalho e gostaria que você mim seguisse no blog do Walney Batista,sua presença só enriquecer ainda mais minha página.De já agradeço,um grande abraço.
É Um clássico mesmo, Ricardo. E acho bem rico, no sentido analítico, comparar o Robinson Crusoé com o Lost. Eu diria que o Lost é uma espécie de exercício extremo da sensação de perda que começava a acometer o inglês do século XVIII naquela época.

Naqueles idos, o herói Robinson escapa da "perda". No caso de Lost, acho que não há muita saída. Ou dá pra definir um final em se tratando de uma narrativa pós-moderna?

Abraços

Postagens mais visitadas