66 milhões de veículos

        Por coincidência é o número da besta. Desde maio do ano passado divulga-se a cifra de que passamos de 66 milhões de veículos em nosso país e que 57% são automóveis. Em 2010 , foram realizadas 145.920 internações de vítimas  dos acidentes no trânsito financiadas pelo SUSs e de acordo com o Sistema de Informação de Mortalidade , do ministério da Saúde, o Brasil fechou 2008 com 38.273 mortes causadas pelo trânsito tanto nas cidades como nas estradas .Quase dez mil mortes a mais do que o registrado no ano 2000.
      Dados como esse causariam espanto - ou horror - em qualquer nação civilizada do planeta. Mas aqui, país onde adoramos nos considerar de primeiro mundo nas questões de consumo, isso passa batido. Pior, o governo Lula era pródigo em comemorar com notas efusivas a tragédia nacional que é o constante bater de recordes de venda da indústria automobilística, procedimento que segue no governo Dilma. Comemoram o que deveríamos deplorar.
      Tal euforia não é de se espantar num país que virou refém do automóvel e do transporte rodoviário com o sucateamento criminoso e consciente das nossas ferrovias.O custo que pagamos pelo rodoviarismo está aí todos os dias para que a gente confira na medida em que simplesmente não se anda mais no Rio, Brasília, Fortaleza, Belo Horizonte, Salvador. Isso sem falar, lógico, do pesadelo maior do motorista brasileiro que é se deslocar entre os quase sete milhões de automóveis da cidade de São Paulo. O surreal é encarado como natural e não se vê uma única política pública para conter isso. Ao contrário . As multinacionais  do setor continuam mandando e desmandando inclusive incentivando uma publicidade nociva que alia carro a poder, mulheres, posses e velocidade. O lixo de sempre travestido de luxo.
      66 milhões de veículos num país que não tem 200 milhões de habitantes é uma aberração sem igual. Enquanto isso dá-lhe marginal, Rodoanel, anel viário, pontes, viadutos, prioridade total ao automóvel. Estamos na contramão do bom senso, da civilidade, da lógica.  São números que nos assustam mas que não sensibilizam nenhuma das nossas autoridades que não estão preocupadas sequer com a questão da mobilidade. São tão mal educadas que continuam a chegar atrasadas em todos os seus compromissos mesmo tendo aviões, helicópteros  e batedores à disposição. É por isso que eu sempre digo que na ineficiência e visão equivocada de civilidade e gestão a incompetência tucana se nivela a petista. São farinha do mesmo saco. Ou combustíveis do mesmo tanque sujo e mal lavado.

Comentários

Jaime Guimarães disse…
É muito carro. E geralmente com apenas um passageiro, no caso o motorista - não consigo entender, ao menos aqui em Salvador, esse povo que compra esses carrões enormes em uma cidade que as vias são estreitas e pra estacionar é uma batalha. Status, só pode.

Não foi o Maluf quem disse que congestionamento era sinal de progresso ou algo do tipo?

É o apocalipse motorizado.

( e ainda temos o brasileiro imprudente ao volante. 38 mil mortos ao ano por conta do trânsito é um absurdo, é uma loucura da qual poucos parecem se dar conta. E sem contar os feridos...tem como um sistema de saúde suportar tudo isso aí? )


=(
Mariana disse…
é incrível a quantidade de automóveis que circulam na rua.
é um problema que está cada vez pior e também com o assunto do delivery de comida em higienopolis há muitas mais motos nas ruas.

Postagens mais visitadas