Ouvir João Ubaldo...

     
    Por aqueles acasos internéticos hoje dei de cara com uma entrevista concedida ano passado pelo escritor João Ubaldo a uma revista brasileira. Estava"linkada" numa página  que me enviou a escritora e fotógrafa  Roberta Simoni. Lembrei que tantos anos convivendo profissionalmente com escritores e tendo entrevistado centenas deles para várias mídias (sobretudo Tv quando fazia os programas Literatura e Mundo da Literatura) não tive nunca a sorte de prosear com o Ubaldo apesar de termos até amigos em comum. Uma vez ele me escapou lá em Itaparica quando eu estava deslumbrado com "Viva o Povo Brasileiro" e seu maravilhoso caboclo Capiroba. De outra feita ele estava mal de saúde e não quis expor sua fragilidade diante do vídeo quando intermediários acertaram uma entrevista pra tv. Mas nada disso importa. Isso é titica.
    O que vim aqui dizer é o seguinte : uma das qualidades que mais me agradam desde sempre em Ubaldo é seu total despojamento diante desses salamaleques literários, essa liturgia babaca que fica ao redor de qualquer bom autor como se ele fosse uma divindade que está sempre a parir feixes de luzes. Esse procedimento pedante e pomposo turbinado por acadêmicos de várias procedências, editores, críticos e puxa-sacos distancia o autor do seu público em primeira e derradeira instância. E me parece que quanto menos talentoso é um escritor mais ele gosta dessas asneiras. O que tenho visto de jovem autor pela internet se levar a sério e se atribuir talentos e superpoderes é acima da média do aceitável. Tipinhos que fazem espuma, que jogam pra torcida e pra mídia, que bajulam quem possa lhes dar destaque mas cujas páginas não resistem à leitura dos primeiros parágrafos tal a ruindade.  Esses tipos deviam ouvir mais João Ubaldo que sabiamente disse na entrevista que citei acima :

Sente-se confortável entre escritores e críticos? 
JOÃO UBALDO RIBEIRO -
Me sinto. Só não me sinto à vontade com o que é muito pomposo. O sujeito pomposo, que encara a condição de escritor como uma coisa meio esotérica ou monástica. Quando é complicado eu não gosto não. Entre os críticos, quando consigo entender o que eles falam, me dou muito bem. Quando não consigo, digo que não entendi e eles acham que estou fazendo piada.

Com esse veredito de João Ubaldo quem sou eu para discordar ? vamos ouvir o homem...

Comentários

E. Campos disse…
Há um documentário sobre Glauber Rocha que vale ser visto pelos depoimentos de João Ubaldo. Enquanto outros entrevistados mistificam o quanto podem, transformando Glauber numa espécie de extraterrestre, Ubaldo humaniza o amigo às gargalhadas. É irresistível. Pena que não me lembro o nome do filme.
Ricardo Soares disse…
João Ubaldo é irresistível né E.Campos???abssss
ps. o melhor dele é não se levar a sério

Postagens mais visitadas