TODO PROSA

Minha foto

Escritor, jornalista, roteirista, diretor de tv. Dirigi, apresentei e escrevi para a  TV Cultura, CNT/GAZETA, BANDEIRANTES, MANCHETE,  Rede SESC/Senac,TV Brasil, TV Pública de Angola, TVT-TV DOS TRABALHADORES, GNT entre outras. Editei as revistas RAIZ, TRIP e HV e fui conselheiro editorial da Rolling Stone e um dos criadores do programa METRÓPOLIS da Tv Cultura do qual fui o primeiro apresentador. Fui repórter do Caderno B do JB e tomei parte da equipe fundadora do Caderno 2 do Estadão. No mesmo jornal fui cronista de 1993 a 1998. De 98 a 2001 fui cronista do Jornal da Tarde.  De 1998 a 2005 dirigi, escrevi e apresentei "Literatura" e "Mundo da Literatura" exibido em várias emissoras abertas e fechadas. Sou co-autor das peças "Olho da Rua" e "Quatro Estações". Autor de sete livros publicados como CINEVERTIGEM (ed. Record) e os infanto-juvenis VALENTÃO, O BRASIL É FEITO POR NÓS ?, DIA DE SUBMARINO e FALTA DE AR. Co-autor de outros tantos. Dirigi mais de uma dúzia de documentários e séries documentais para várias emissoras de tv. Publiquei todos os dias durante um ano em www.revistapessoa.com o 365- Diário do Anonimato do Mundo. Uma história por dia. Cada dia um lugar do mundo. Escrevo duas vezes por semana para a revista digital  Dom Total em www.domtotal.com . Entusiasta da comunicação pública também fui gerente de produção da TV Brasil e diretor de conteúdo e programação da EBC.

terça-feira, 7 de março de 2017

Amor de mãe vem aí



    


    Todos os dias quando me ponho diante do computador e de uma disciplina tardia para abraçar a literatura divago sobre o "tempo perdido". Tantos e tantos anos dedicado ao jornalismo cultural, aos documentários e à comunicação pública, essa finada, principalmente.
     A reação mais próxima, a mais cômoda , a mais devastadora até é crer , com força, que apostei em cavalos errados e deixei de lado a trajetória de escritor, sempre postergada, sempre adiada em detrimento da estrada de "comunicador", roteirista, jornalista. Ou seja, sempre fui um escritor relapso e bissexto. Soma-se a esse adiamento uma espécie de excessiva autocensura que me impediu por muitos anos de voltar a publicar. Desde 2007 com o infanto-juvenil " Falta de Ar" não publiquei mais nada. Isso não quer dizer que tenha parado de escrever. Nunca parei aliás. O que faltou foi disciplina, empenho, energia, foco, prioridade para levar adiante projetos estacionados e concluí-los. Não vou comemorar nada antecipadamente mas parece que agora vai. Sem grandes expectativas mas de maneira honesta e simples, tendo  a ciência do meu modesto tamanho, retomo a jornada e poderia aqui escrever um longo "panegírico"a respeito de tantos adiamentos.Mas isso a quem interessa ? 
    Ironia do destino é que resolvo recomeçar num momento impróprio, talvez dos piores para a literatura brasileira contemporânea que se ressente de leitores, de qualidade, de investimento, uma literatura eivada de "panelinhas" que se incensam e se protegem formando um bunker onde só quem está dentro é considerado "literatura brasileira contemporânea". Sem ressentimentos no fundo não ligo porque tirando um ou dois esses autores protegidos por curadores- editores são muito ruinzinhos. E, vamos combinar, não quero recomeçar com rancor e com ressentimento. Só reiterar um pedido aos meus 19 leitores(como diz o poeta Álvaro de Faria) para pesquem as novidades fora do óbvio. Tem muita coisa boa sim sendo feita fora do circuitinho mirrado divulgado pela mídia amiga.
   O preâmbulo grande se justifica para dizer que vou colocar de novo o que faço em circulação. Entre o começo de abril , começo de maio será publicada uma novela chamada "Amor de mãe" escrita há dez anos . Começo lá atrás para chegar mais perto pois as gavetas estão cheias e sendo depuradas. A editora que me prestigia é a valente Patuá do Eduardo Lacerda que mesmo antes de se interessar pelo que fiz eu já admirava por sua coragem num mercado árido e por sua estratégia de guerrilha de fazer livros bacanas com bom acabamento e baixa tiragem para fugir, entre outras coisas, das ganâncias do mercado livreiro. Estou feliz pelo recomeço que espero não ser interrompido. E os convido, modestamente, a conhecer um trechinho do "Amor de Mãe" em breve entre nós :


( trechinho de "Amor de Mãe")




"Demos então em uma  longa e penosa ladeira calçada de paralelepípedos. Íngreme, difícil de subir. Ao chegar no seu topo podíamos ver o bairro todo iluminado com luzes baças, luzes de filmes iranianos. Podíamos ouvir cachorros latindo nos quintais, mães chamando seus filhos para o banho, panelas de pressão que cozinhavam feijões duros e difíceis de ganhar.  Era a hora em que os maridos sadios voltavam para casa e calçavam as chinelas contemplando os pés inchados . A hora em que cheiravam as próprias meias fedidas e fugiam dos chuveiros encostando as carcaças em sofás de courvin  quente que grudavam nas costas. Começava a hora da santa transpiração defronte a televisão  quando eles olhavam com tédio as notícias do dia esperando a próxima novela e as coxas grossas e decotes generosos que seriam servidos e eles não tinham em casa". 

Nenhum comentário:

Meus livros

Meus livros
CINEVERTIGEM

O BRASIL É FEITO POR NÓS ?

VALENTÃO

FRANGUINHO SEBASTIÃO

DIA DE SUBMARINO

DIA DE SUBMARINO
DIA DE SUBMARINO

FALTA DE AR

FALTA DE AR
FALTA DE AR
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Arquivo do blog

Seguidores